"Tirei os saltos pela primeira vez", foi a frase de Ana Morina ao chegar aos estúdios da Venda do Pinheiro. A executiva de Murtosa foi expulsa do "Big Brother" este domingo, 21 de novembro. Aos apresentadores sublinhou que, dentro da casa, tentou falar de temas que considerava "realmente importantes", ao que Manuel Luís Goucha ripostou: "o tema da sororidade ficou pelo caminho".

"Big Brother". Conheça os seis nomeados desta semana
"Big Brother". Conheça os seis nomeados desta semana
Ver artigo

Quando teve a palavra, A Pipoca Mais Doce mencionou os "dois méritos" de Ana Morina como jogadora: "o primeiro é ser, provavelmente, a maior vilã que já houve num reality show em Portugal. Eu acho que, daqui a 50 anos, ainda as pessoas saberão quem foi a Ana Morina; o segundo mérito, mais nobre, talvez, foi o facto de ter posto Portugal inteiro a falar de sororidade. De facto, Portugal inteiro ouviu o termo sororidade, mas muito pouca gente o entendeu porque a Ana foi, talvez, a pior embaixadora que podia ter existido para representar esta causa. A Ana confundiu muito o conceito, a Ana foi muitas vezes injusta para as suas colegas, a Ana destratou muitas vezes as mulheres dentro da casa. E, de facto, se alguém não sabia o que era sororidade, eu acho que também não foi através da Ana que o aprendeu".

Ana Garcia Martins recuperou, ainda, um comentário de Noa, amiga próxima da ex-concorrente, numa gala do "Big Brother": "Se a Ana ganhar os 100 mil euros, tudo valeu a pena". "Eu não poderei falar por si, obviamente, mas eu acho que o assassinato de carácter que a Ana fez da sua imagem dentro deste jogo não valia 10 milhões", assegurou a comentadora.

"Eu posso não ter dado a interpretação que eu gostava de dar. A questão da sororidade tem a ver com a união das mulheres, mas não basta só nascer mulher, há deveres das mulheres umas para com as outras e achei que havia determinadas coisas que deviam ser faladas e o tema teria que vir ao de cima", começou por explicar Ana Morina, acrescentando que, "aquilo que estava a acontecer dentro da casa (...) acontece sempre fora", referindo-se ao facto de as mulheres se "insultarem" e "falarem nas costas" umas das outras.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.