É na gema do ovo que está a gordura do ovo. Tanto assim é que há quem prefira não consumir esta parte, por ter mais calorias. Mas isto está errado, de acordo como que diz a nutricionista Débora Pita. “É lá que estão as vitaminas”, garante.

Mas nem todas as gemas são iguais. Se partir um ovo a cor pode ir do amarelo ao cor de laranja. O que é que a diferença das cores reflete? Será que uma é mais saudável do que as outras?

A cor da casca, por exemplo, muda consoante a raça do animal. Já a gema — e respondendo à primeira questão — reflete o tipo de alimentação das galinhas.

“As quantidades de luteína [carotenóide] e zeaxantina [substância que dá cor a peixes, aves, flores e outros alimentos] presentes na ração que ingerem estão relacionadas com a cor da gema”, explica. Portanto, “quanto mais escura [a gema], mais quantidades têm.”

"Não há estudos conclusivos para suportar todos os benefícios que se apontam ao óleo de coco"
"Não há estudos conclusivos para suportar todos os benefícios que se apontam ao óleo de coco"
Ver artigo

Mas quererá dizer que esta é a escolha mais indicada? “Não diria isso. Ambas [as cores da gema] são saudáveis. O facto de ter aparentemente mais luteína não significa que seja melhor do que o outro. As diferenças não são muito significativas”, diz.

De acordo com Débora Pita, há que lembrar que há rações artificialmente enriquecidas com carotenos, que funcionam como uma espécie de corante. “Adicionam-se coisas só para ficar mais escura. Não foi uma resposta do organismo da própria galinha. Foi modificada a ração para que isso acontecesse, de maneira a ficar mais apelativo”, considera.

Há galinhas criadas ao ar livre, outras em gaiola. Há galinhas alimentadas com ração, outras com alimentos. E até a idade do animal interfere com a qualidade nutricional do ovo, alimento naturalmente rico em proteína, gordura e vitaminas.

Por isso, o truque, segundo a nutricionista, é ir variando. Até nos ovos biológicos. “O ideal é não preferir nenhum. Assim vai-se variando a diferença nutricional. Os biológicos, por exemplo, podem ter um nutriente em menor quantidade e, se optarmos sempre por esses, esse nutriente acaba por ficar em falta.”

Newsletter

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.