É um relatório explosivo e altamente preocupante. Portugal tem das frutas mais contaminadas por pesticidas na Europa, e no topo da lista estão as peras e as maçãs, duas das mais consumidas no nosso País. Os dados constam do relatório da organização não-governamental “Pesticides Action Network Europe” (PAN Europa), que foi divulgado esta terça-feira, 27 de setembro, e que revela que a fruta do outono na Europa está “altamente contaminada” com pesticidas perigosos. De acordo com o expresso no documento, grande parte de peras europeias (49%), uvas de mesa (44%), maçãs (34%), ameixas (29%) e framboesas (25%) apresentavam resíduos de pesticidas ligados ao aumento do risco de cancro, deformidades congénitas, doenças cardíacas e foram vendidas nesse estado. A maior parte dos pesticidas presentes na fruta é uma ameaça à saúde, ainda que esteja presente na fruta em doses muito baixas.

Com Nutella, fruta ou leite condensado. 3 receitas de panquecas para alegrar o fim de semana
Com Nutella, fruta ou leite condensado. 3 receitas de panquecas para alegrar o fim de semana
Ver artigo

A situação mais complicada para Portugal é a das peras. Ao todo, 68% das peras portuguesas vendidas apresentavam valores elevados de pesticidas perigosos, a percentagem mais alta da Europa. No caso das maçãs, a coisa não melhora muito. As mais contaminadas são as holandesas (71%), depois as gregas (54%) e Portugal surge no terceiro lugar, com 50%.

Muito melhor estamos em relação às framboesas, já que apenas 11% das cultivadas no nosso país apresentavam índices tóxicos elevados.

Ao todo, foram analisadas 44.137 amostras de frutas frescas entre 2011 e 2020. Uma das conclusões do estudo é o de que o uso de pesticidas aumentou, e que a contaminação de maçãs, peras e ameixas quase duplicou desde 2011. Em 2020, um terço (33%) de todos os frutos testados estavam contaminados, quando em 2011 o valor não ia além de 20%.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.