Marcelo Rebelo de Sousa não descarta a hipótese de um recolher obrigatório ou até mesmo de um novo estado de emergência, caso exista um agravamento brutal da propagação da COVID-19 em Portugal. "Tudo o que tiver de ser decidido será decidido", afirmou o presidente da República aos jornalistas esta sexta-feira, 16 de outubro, tal como escreve o "Diário de Notícias".

"As pessoas têm de pensar que se isto arranca a galope, se há um agravamento brutal da situação, que não desejamos e que esperamos que não aconteça - está muito nas mãos das pessoas -, mas se isso acontecer [...] há graus progressivos de intervenção", disse Marcelo Rebelo de Sousa, que recordou que Portugal já atravessou um estado de emergência, nível de alerta que potenciou um confinamento total.

Governo quer StayAway Covid obrigatória no trabalho e nas escolas. Multas vão até aos 500€
Governo quer StayAway Covid obrigatória no trabalho e nas escolas. Multas vão até aos 500€
Ver artigo

No entanto, o Presidente explicou que essa é uma situação que se quer evitar, devido ao impacto em várias áreas, especialmente no que diz respeito à Economia.

Mas Marcelo Rebelo de Sousa deixa o alerta: "Se o número de mortos disparar para várias dezenas por dia aí temos um problema grave que atravessa toda a sociedade portuguesa e queremos evitar que isso aconteça", escreve a mesma publicação. "Para evitar medidas muito mais pesadas, o melhor é que as pessoas compreendam que as medidas imediatas e mais pequenas devem ser cumpridas".

O chefe de Estado falou ainda das medidas que outros países europeus têm implementado para travar esta segunda vaga, como o recolher obrigatório e a interrupção, em determinadas horas do dia, da atividade económica, nomeadamente de serviços e comércio.

"Já tivemos entre nós, em Lisboa, mini confinamentos em áreas de freguesias e já tivemos o maior, o confinamento total. Portanto há vários graus e outras medidas. O que nós queremos é não chegar a um ponto desses, porque tem custos muito elevados", disse Marcelo Rebelo de Sousa, que quer evitar medidas radicais. "Para isso é preciso que as pessoas façam um grande esforço no sentido de que pequenas medidas ou medidas mais limitadas sejam aplicadas."

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.