As compras online tornaram-se uma prática frequente, principalidade agora em quarentena, mas a partir de 2021 ganham novos moldes. Os dados dos cartões de crédito, como o número do cartão ou a sua data de validade, vão deixar de ser considerados válidos para concluir compras na internet, avança o "Jornal de Negócios".

“O novo enquadramento regulamentar deixa de considerar válidos para a autenticação em compras na internet os detalhes impressos nos cartões de pagamento (como, por exemplo, o número do cartão, a data de validade ou o código CVV/CVC), uma vez que poderão ser apropriados por terceiros”, indica o Banco de Portugal, no mais recente Relatório dos Sistemas de Pagamentos.

Continente, Pingo Doce, Auchan, El Corte Inglés. Testámos os serviços de compras online (e já imagina o resultado)
Continente, Pingo Doce, Auchan, El Corte Inglés. Testámos os serviços de compras online (e já imagina o resultado)
Ver artigo

O método será então substituído por um mínimo de dois elementos — sistema já usado pelos bancos para fazer uma autenticação forte dos clientes sempre que acedem online às suas contas — como é o caso de algo que só o utilizador conhece (como uma palavra-passe), algo que só o utilizador possui (como um telemóvel) ou algo inerente ao utilizador (como uma impressão digital).

Esta é uma das medidas que vai ser implementadas em 2021, e que faz parte da agenda dos bancos centrais europeus para este ano, na sequência da primeira fase da nova diretiva europeia de pagamentos (PSD2). O objetivo é que as novas regras de autenticação nas compras online com cartão sejam aplicadas até 31 de dezembro de 2020.

Não dá para ir às compras todos os dias? Fixe, assim aproveitamos a comida ao máximo
Não dá para ir às compras todos os dias? Fixe, assim aproveitamos a comida ao máximo
Ver artigo

Cabe à Autoridade Bancária Europeia avaliar se os operadores estão prontos para cumprir as novas regras até à data limite ou se será necessário ajustá-la — sempre a nível europeu. No caso português, Banco de Portugal está confiante de que o plano será cumprido como esperado e que até à data limite as novas regras possam vigorar.

Ainda assim, no relatório é dito que os prestadores de serviços de pagamento podem optar por seguir a transição de forma flexível, implementando as novas regras no final do prazo, mas "terão de assumir quaisquer perdas financeiras que resultem de operações indevidamente executadas (exceto quando o utilizador aja fraudulentamente)", revela o documento.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.