Dois dos quatro jovens portugueses acusados de violação a duas mulheres em Espanha vão sair em liberdade esta sexta-feira, 24 de setembro. Segundo o advogado dos jovens, Germán Inclána, o Tribunal Providencial das Astúrias aceitou o recurso da defesa e decidiu que poderão aguardar o desenrolar do processo em liberdade, mediante o pagamento de uma fiança de cinco mil euros. Os portugueses, acusados de violação de duas jovens em Gjón, Espanha, devem regressar a Braga ainda esta sexta-feira.

Portugueses detidos em Espanha por suspeita de violação múltipla. O que se sabe sobre o caso
Portugueses detidos em Espanha por suspeita de violação múltipla. O que se sabe sobre o caso
Ver artigo

O caso remete a 24 de julho deste ano, quando quatro jovens portugueses foram detidos por suspeita de violação de duas mulheres, na cidade espanhola de Gjón.

As alegadas vítimas, de 23 e 24 anos, admitem ter encontrado um homem num bar e concordado acompanhá-lo à pensão onde estaria hospedado. No entanto, queixam-se de que, à altura da decisão, o homem português estava sozinho, mas, no caminho, terão apanhado um segundo homem e, ao chegar à pensão, estavam lá outros dois, de que não tinham conhecimento.

Posteriormente, segundo o depoimento das supostas vítimas,  os quatro portugueses terão obrigado as jovens a manter relações sexuais, avança o "Jornal de Notícias".

"Se era namorada, porque dizem que foi violada?". Especialistas defendem mudança de mentalidades
"Se era namorada, porque dizem que foi violada?". Especialistas defendem mudança de mentalidades
Ver artigo

Os jovens portugueses rejeitam as acusações ma snão desmentem que, de facto, mantiveram relações sexuais com as alegadas vítimas, mas garantem não as forçaram a nada, sendo, portanto, um ato consentido.

Os quatro portugueses foram detidos no passado dia 24 de julho, sendo que dois dos acusados já regressaram a casa, no distrito de Braga.

Assim que a fiança de cinco mil euros for paga, os dois jovens ainda detidos deverão regressar a Portugal, onde devem aguardar pelo desenvolvimento da investigação, sem recurso a passaporte e obrigados a permanecer longe das alegadas vítimas.

A 11 de agosto, o advogado dos jovens, Germán Inclán, interpelou o primeiro recurso para a libertação dos acusados, que propunha a libertação sob fiança ou transferência para um estabelecimento prisional em Portugal. O mesmo recurso foi recusado, depois de o juiz considerar que existia perigo de fuga, avançou a TVI, com base num testemunho exclusivo do advogado.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.