Com mais 35 casos de infeção pelo vírus Monkeypox (ou varíola dos macacos, na descrição portuguesa), Portugal elevou para 276 o total de pessoas infetadas. Os números foram avançados pela Direção-Geral da Saúde (DGS), que pede que seja feita uma sensibilização sobre o vírus, especialmente junto de empresas, organizações de eventos ou grupos informais.

O objetivo? Comunicar os principais cuidados a ter para evitar o contágio e consequente transmissão, principalmente antes e depois de relações sexuais. Isto porque, apesar de a varíola dos macacos não se transmitir apenas durante o ato sexual, a transmissão depende de contacto próximo físico próximo, sendo que as lesões que provoca, o seu conteúdo líquido ou purulento e mesmo as crostas são particularmente infeciosas, garante a DGS.

Varíola dos macacos prolifera, mas OMS acredita que não se transformará em pandemia
Varíola dos macacos prolifera, mas OMS acredita que não se transformará em pandemia
Ver artigo

Os casos notificados no atual surto foram na sua maioria detetados em "homens que têm sexo com homens", embora a transmissão também tenha sido documentada noutras pessoas, e já tenha sido esclarecido que este, como qualquer outro vírus, não 'escolhe' a comunidade LGBTQI+Segundo a autoridade de saúde, entre os utentes infetados, estão sobretudo de homens entre os 19 e os 61 anos, tendo a maioria menos de 40 anos.

Quais são os sintomas?

A infeção com varíola dos macacos provoca sintomas como febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, nódulos linfáticos inchados, arrepios de frio e exaustão.

Sendo que um sintoma comum, que se manifesta geralmente entre o primeiro e o quinto dia após a febre, é o desenvolvimento de erupções cutâneas, lesões na pele ou mucosas, que podem ser localizadas numa determinada região do corpo ou generalizadas, atingindo habitualmente a face e boca, membros superiores e inferiores ou região ano-genital, avança a CNN Portugal.

O vírus pode ficar incubado entre seis a 16 dias, mas pode chegar aos 21. Quando a crosta cai, uma pessoa deixa de ser infecciosa, avança o "Diário de Notícias".

Ainda assim, perante o surgimento destes sintomas ou suspeita de contacto próximo com uma pessoa infetada, deve seguir-se uma avaliação médica, evitando o contacto físico próximo com terceiros, incluindo relações sexuais.

"O contacto físico próximo é a principal forma de transmissão. Uma relação sexual pode envolver risco. Relações sexuais com múltiplos parceiros/as aumentam o risco", destaca a DGS.

DGS revela cuidados a ter antes e após relações sexuais

Segundo a autoridade de saúde, a utilização do preservativo é importante para prevenir a transmissão do VIH e outras infeções sexualmente transmissíveis (IST), mas não oferece proteção eficaz para este vírus, alerta.

Entre as medidas a adotar "antes, durante e após" o ato sexual, a DGS recomenda que seja desincentivada a participação em caso da existência de sintomas e aconselha a "guardar os contactos das pessoas com quem mantiverem contacto físico próximo, incluindo relações sexuais, caso seja necessário identificá-los posteriormente".

"Se existir roupa de cama, deve ser mudada após utilização", avança. Essa roupa deve ser manipulada com recurso a luvas e máscaras e lavada a mais de 60 graus centígrados. Sendo que, após manipulação da roupa, "deve retirar-se as luvas e lavar/higienizar as mãos", pode ler-se.

Neste sentido, a DGS avança ainda que "o estigma e o medo podem dificultar as respostas em matéria de saúde pública, pois podem fazer com que as pessoas escondam a sua doença e são barreiras de acesso aos cuidados de saúde". Por isso, pede que se utilize "uma linguagem respeitosa e inclusiva" e que se transmitam "os factos de forma clara e acessível".

De acordo com as autoridades de saúde, a manifestação clínica da 'Monkeypox' é geralmente ligeira, com a maioria das pessoas infetadas a recuperar da doença em poucas semanas. Portugal vai receber 2.700 doses das vacinas contra o vírus Monkeypox, adquiridas pela Comissão Europeia, no entanto ainda não há uma norma técnica fechada que definirá a forma como serão utilizadas, avança a CNN Portugal.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.