Se tem o hábito de beber Coca-Cola Zero, porque a considera mais saudável do que aquela dita normal, temos más notícias para si: andou enganado a vida toda. Isto porque a OMS vai declarar o adoçante artificial presente nesta bebida como possivelmente cancerígeno para seres humanos.

Esta conclusão chegou através de um estudo da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancro (IARC), que faz parte da Organização Mundial de Saúde (OMS). O adoçante em questão é o aspartame, que, além da Coca-Cola Zero, é usado em mais alguns refrigerantes, pastilhas elásticas e até pastas de dentes – e são exatamente esses produtos que sairão da lista, a ser divulgada ainda este mês, que apontará este adoçante como algo extremamente prejudicial para a saúde.

Tinha cancro há 13 anos e ia para os cuidados paliativos, mas este tratamento fê-lo entrar em remissão
Tinha cancro há 13 anos e ia para os cuidados paliativos, mas este tratamento fê-lo entrar em remissão
Ver artigo

Além de poderem ser potencialmente cancerígenos, estes adoçantes sintéticos ou artificiais foram também associados pela agência da ONU a problemas cardiovasculares e a uma maior mortalidade na idade adulta. A par disto, um  estudo britânico também chegou à conclusão de que estas substâncias podem surtir complicações na flora intestinal, fazendo com que as bactérias saudáveis fiquem doentes e invadam a parede intestinal, culminando em graves problemas de saúde.

Este é um assunto que é estudado desde o século XX, pelo que há opiniões que divergem em relação à utilização do aspartame em produtos alimentares. Ou seja, a comunidade científica, nomeadamente o JECFA (Comité de Especialistas em Aditivos Alimentares da OMS), acredita que o aspartame é seguro de consumir dentro de certos limites diários, algo que o novo estudo da IARC vem contrariar.

Uma coisa é certa: este é um dos adoçantes mais utilizados do mundo. Se a decisão da ONU for definitiva, isso irá obrigar a que muitos produtos, que consumimos no dia a dia, sejam excluídos da nossa alimentação – ou que, pelo menos, os fabricantes encontrem uma forma de os produzir sem recorrerem a esta substância.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.