O autor de um ataque terrorista que feriu esta sexta-feira, 3 de setembro, seis pessoas com uma faca num supermercado na cidade de Auckland foi abatido no local pela polícia da Nova Zelândia. De acordo com a primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, o atacante, que estava a ser monitorizado 24 horas por dia, era já conhecido das agências de segurança nacionais e inspirou-se nas ações do Estado islâmico.

PJ detém duas pessoas em Lisboa por suspeita de ligações ao Daesh
PJ detém duas pessoas em Lisboa por suspeita de ligações ao Daesh
Ver artigo

"Foi um ataque violento e sem sentido contra inocentes neozelandeses", referiu a primeira-ministra numa conferência de imprensa, citada pelo "Diário de Notícias". "O que aconteceu hoje foi desprezível, odioso e errado", acrescentou, descrevendo o indivíduo como um cidadão do Sri Lanka que chegou à Nova Zelândia em 2011, escreve o mesmo jornal.

O ataque ocorreu pelas 14h40 (3h40 em Lisboa), num supermercado em Auckland. A faca utilizada pelo agressor foi comprada pouco antes, no interior da loja, informou o comissário da polícia, Andrew Coster, que diz ainda que o indivíduo agiu sozinho, lê-se na notícia avançada pela CNN.  Dos seis feridos, um está em estado muito crítico e três em estado crítico. 

Jacinda Ardern explicou também que o indivíduo era tido "como uma ameaça desde 2016", mas, "por lei, não podia ser mantido na prisão". O facto de o homem estar a ser seguido no momento do ataque fez com que as autoridades pudessem agir de imediato. "Foi justamente a equipa de vigilância e a unidade especial que o abateram, pelo que sei, no espaço de 60 segundos após o início do ataque", acrescentou a primeira-ministra da Nova Zelândia, citada pelo "DN".

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.