A Unidade Nacional Contraterrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ) deteve esta quarta-feira, 1 de setembro, em Lisboa, dois cidadãos estrangeiros por alegado envolvimento com o Estado Islâmico. De acordo com a PJ, os indivíduos foram detidos "pela indiciada prática de crimes de adesão e apoio a organização terrorista internacional, de terrorismo internacional, e contra a humanidade", lê-se na página da PJ.

Francesa que vandalizou o Padrão dos Descobrimentos já fugiu do País. PJ anda atrás dela
Francesa que vandalizou o Padrão dos Descobrimentos já fugiu do País. PJ anda atrás dela
Ver artigo

"A Polícia Judiciária coadjuvou o Ministério Público (DCIAP) nesta investigação que contou com a colaboração do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e, a nível internacional, com a cooperação de autoridades judiciárias iraquianas, através da UNITAD-ONU, cujo apoio permitiu recolher prova indiciária bastante para imputar os referidos crimes àqueles cidadãos", diz ainda a publicação

A operação, desenvolvida na região de Lisboa, contou com a participação da Magistrada do MP titular do inquérito e vários quadros da investigação criminal e peritos da Unidade de Perícia Tecnológica Informática (UPTI) da Polícia Judiciária.

De acordo com a PJ, "as provas recolhidas indiciam que estes dois indivíduos assumiram distintas posições na estrutura do ISIS / Daesh, sendo os mesmos igualmente objeto de investigação por parte das competentes Autoridades Judiciárias iraquianas." Na mesma publicação, as autoridades portuguesas informam que não foram identificados indícios de que os dois cidadãos estrangeiros tivessem cometido quaisquer crimes desta natureza em território nacional.

Os arguidos detidos vão ser presentes às competentes Autoridades Judiciais, "para efeito de primeiro interrogatório judicial e consequente aplicação das medidas de coação tidas por adequadas", lê-se na publicação.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.