A imagem de um bebé a ser entregue às tropas americanas, em agosto, no meio do desespero da tentativa de fuga Cabul, no Afeganistão, emocionou o mundo. Agora, cerca de cinco meses depois, o bebé está novamente com a família.

Saiba como ajudar as crianças no Afeganistão. "Tenho muito medo. Não tenho ninguém"
Saiba como ajudar as crianças no Afeganistão. "Tenho muito medo. Não tenho ninguém"
Ver artigo

Tudo aconteceu a 19 de agosto, quando Mirza Ali Ahmadi (pai de Sohail Ahmadi), que estava do lado de fora do aeroporto, foi captado a  entregar uma criança, na altura com dois meses, a um soldado norte-americano que estava dentro do recinto, o único local seguro para fugir ao domínio talibã, avança a agência Reuters, que tem vindo a acompanhar o caso desde então.

Em novembro, a Reuters voltou a publicar uma notícia com várias fotografias da criança que levaram um taxista a identificar o menino. Hamid Safi, de 29 anos, encontrou Sohail Ahmadi no aeroporto e levou-o para casa, criando-o como se fosse seu, escreve a agência noticiosa.

Mais de sete semanas depois, que envolveram negociações, apelos, e até uma detenção, Hamid Safi conseguiu entregar o menino ao avô, que se encontrava em Cabul. Agora, o objetivo é conseguir levar a criança de sete meses para os Estados Unidos, onde estão os pais e os irmãos.

A entrega da criança aos soldados no dia 19 de agosto de 2021 tratou-se de um ato de desespero. De acordo com os pais, o objetivo era que o bebé não ficasse perdido ou fosse esmagado pela multidão, sendo que esperavam reencontrá-lo minutos depois.

No meio da confusão, os pais de Sohail Ahmadi deixaram de ver a criança e foi-lhes dito que a mesma devia ter embarcado num outro voo rumo aos Estados Unidos. Contudo, isso não aconteceu e a família Ahmadi chegou ao Texas, e durante meses esteve sem saber do paradeiro do membro mais novo — algo que esperam resolver em breve.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.