Um direto comum revelou-se um caso insólito, esta quinta-feira, 20 de janeiro. A jornalista Tori Yorgey foi atropelada por um veículo durante uma emissão em direto para a WSAZ 3, um canal de notícias norte-americano. Mais, ainda assim, levantou-se e continuou a reportagem.

O direto estava a decorrer dentro da normalidade, até que o que se segue é absolutamente inesperado: um carro atinge com violência a jornalista, que desaparece do ângulo da câmara. No entanto, a jovem nunca perde o sentido de missão (nem os sentidos) e, mesmo com um tom de voz abalado, continua a comunicação com o estúdio.

Insólito. Barulho do autoclismo é uma violação dos direitos humanos — em Itália, pelo menos
Insólito. Barulho do autoclismo é uma violação dos direitos humanos — em Itália, pelo menos
Ver artigo

“Acabei de ser atropelada, mas estou bem”, apressou-se a relatar a jornalista Tori Yorgey, que estava a cobrir um temporal em Dunbar, no estado norte-americano de Virgínia Ocidental.

O pivô que estava a conduzir a emissão em estúdio fica notoriamente desconfortável e preocupado, mas em poucos segundos Tori Yorgey já está de volta à imagem. Sem ferimentos aparentes e com o cabelo desalinhado. Mas em segurança e a rir: "Estamos todos bem. Eu estou bem. Televisão em direto é isto", diz.

Pouco tempo depois, o vídeo do momento insólito tornou-se viral.

O condutor do veículo que atropelou Tori Yorgey parou e tentou perceber se a repórter tinha ficado ferida, mas ouve-se a jornalista a confirmar que não tem mazelas. Ainda assim, depois do direto, a mulher foi transportada para um hospital local.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.