Depois de uma condenação internacional por parte de vários dirigentes políticos em todo o mundo, devido à violência que dominou o edifício do Capitólio, em Washington, Donald Trump foi banido das redes sociais. O Twitter bloqueou a conta do republicano exigindo que o mesmo retirasse as mensagens que desculpam a violência ocorrida no local esta quarta-feira, 6 de janeiro.

Atiçados por Donald Trump, manifestantes invadem Capitólio para sabotar transição de poder
Atiçados por Donald Trump, manifestantes invadem Capitólio para sabotar transição de poder
Ver artigo

"Como resultado da situação violenta sem precedentes e contínua em Washington, DC, exigimos a remoção de três tweets que foram postos hoje, por violações repetidas e graves da nossa política de integridade cívica", escreveu a empresa, na sua própria rede social, referindo ainda que a conta de Donald Trump iria ser bloqueada durante 12 horas. Mais tarde, o Twitter fez questão de anunciar que futuras violações das regras da empresa resultarão numa "suspensão permanente".

Os três tweets em causa incluíam um vídeo no qual Trump afirmava que a eleição tinha sido roubada. Após esta decisão, também o Facebook e o Instagram, que pertencem à mesma empresa, anunciaram que Donald Trump estaria proibido de publicar nestas duas redes sociais durante 24 horas. 

"Encontrámos duas infrações às nossas regras na página do Presidente Donald Trump que resultaram numa suspensão de 24 horas, o que significa que não pode publicar na plataforma durante este período", indicou o grupo numa mensagem na rede social Twitter. Tal como Twitter, também o Facebook retirou o vídeo em questão e o Youtube anunciou ter feito o mesmo.

Esta quarta-feira, Guy Rosen, explicou na rede social Twitter que o vídeo foi removido por considerarem que "aumenta, mais do que diminui, o risco de violência".

Trump foi ainda expulso do Snapchat, mas, neste caso, sem qualquer duração definida. o que significa que não se sabe se o republicano poderá voltar a ter conta nesta rede social.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.