A antiga modelo brasileira e agora influenciadora digital e coach Kat Torres foi presa nos Estados Unidos e poderá estar por detrás de uma rede de tráfico de mulheres, que atraía com promessas de rituais para conseguirem uma vida melhor ou sorte ao amor.

As atenções e suspeitas viraram-se para Kat Torres depois de duas jovens brasileiras terem desaparecido. Garantiram que iriam trabalhar com Torres e deixaram de dar notícias à família e aos amigos. Acabaram por reaparecer alguns meses depois, com novos visuais, muito parecidas com Kat Torres. E percebeu-se que algo não batia certo.

Transexual com excesso de peso vence concurso de misses. E a discussão na net explode
Transexual com excesso de peso vence concurso de misses. E a discussão na net explode
Ver artigo

Além das mudanças de look, surgiram também a inventar histórias sobre as suas próprias famílias, como se estivessem a agir sob coação. Mas o mistério foi-se adensando até à detenção das três mulheres, junto à fronteira dos Estados Unidos da América com o Canadá.

Da lavagem cerebral ao tráfico humano

Kat Torres era modelo, mas decidiu deixar essa vida para se tornar uma guru espiritual e dedicar-se a inspirar outras pessoas através de vários ensinamentos, entre eles como se prepara um "banho alienígena" e o que fazer para se conseguir ter um "marido lindo".

A suposta guru conseguiu aliciar outras duas jovens brasileiras a juntarem-se a ela: Letícia, 21, e Desirrê, 26. Ambas viraram as costas às vidas que tinham no Brasil e desapareceram sem dar satisfações, partindo para os Estados Unidos, onde foram trabalhar com Kat. "Não tínhamos notícias dela", queixam-se os pais de Letícia, que recorreram às autoridades.

Também uma amiga de Desirrê deixou de ter contacto com ela e achou estranho. "Ela simplesmente saiu das redes sociais e bloqueou-me no WhatsApp", contou, em entrevista ao programa "Fantástico", da Globo. Nas últimas mensagens que trocaram, Desirrê avisou que já estava nos EUA.

A resposta às tentativas de contacto surgiu na forma de vídeos agressivos. "Estou a gravar este vídeo para ordenar que parem de me perseguir. Parem de me procurar", partilhou Desirrê. Letícia usou uma técnica diferente. Disse que não voltava a casa porque era abusada. "Desde que era criança que o meu pai me abusava. Porque é que eu preciso voltar para o inferno daquele lugar?", disse.

Ameaças, esquemas enganosos e prisão

Em entrevista, os pais de Letícia garantem que tal nunca aconteceu. Kat, Letícia e Desirrê começaram a entrar em direto nas redes sociais e a disparar para todos os lados. A modelo Yasmin Brunet foi uma das vítimas, vendo o seu nome associado a tráfico humano. Letícia contou que tinha estado em cativeiro e Desirrê corroborou.

Depois de expressar preocupação para com o bem estar das brasileiras, Brunet foi acusada por elas de ter "um esquema de traficar meninas nos EUA". Face à insistência, Kat Torres ameaçou a amiga de Desirrê: "Vou fazer-te perder os teus filhos. Vais arrepender-te".

A 2 de novembro, as três foram presas, supostamente por estarem ilegais no país. Dois dias depois, Letícia e Desirrê acabaram por ser transferidas para uma prisão diferente. Kat Torres está a ser investigada e deverá ser acusada de crimes como tráfico humano, trabalho escravo, aliciamento, prostituição, injúria, calúnia e difamação.

Várias ex-clientes da suposta guru (que diz que ouve vozes e que fala com extraterrestres) asseguram ter perdido muito dinheiro por terem acreditado nos seus esquemas, e garantem que para lá de enganadas foram também ameaçadas. Os familiares das duas mulheres brasileiras que agora trabalhavamm para Kat queixam-se de uma espécie de lavagem cerebral e torcem pela deportação.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.