Em 2001, a Holanda, atualmente denominada Países Baixos, foi o primeiro país a legalizar o casamento homossexual. Esta terça-feira, 12 de outubro, 20 anos depois, o primeiro-ministro dos Países Baixos, Mark Rutte, esclareceu que os membros da realeza podem casar com pessoas do mesmo sexo sem ter de abdicar da linha de sucessão ao trono.

Em 2020, a Holanda passa a chamar-se só Países Baixos
Em 2020, a Holanda passa a chamar-se só Países Baixos
Ver artigo

A princesa Catharina-Amalia, aparente herdeira ao torno dos Países Baixos, completa 18 anos já em dezembro e tem luz verde, por parte do governo, para casar com uma pessoa do mesmo sexo, se for esse o desejo.

Isto porque, ao contrário dos restantes casamentos, aqueles que acontecem no seio da família real carecem de aprovação do parlamento.

Com a herdeira prestes a atingir a maioridade, livros recentemente publicados alegaram que as regras do país excluíam a possibilidade de um casamento gay entre os membros da realeza. Esta terça-feira, 12, o primeiro-ministro Mark Rutte fez questão de esclarecer todas as dúvidas, numa carta endereçada ao parlamento.

"[O governo] acredita que o herdeiro também se pode casar com uma pessoa do mesmo sexo (...) O gabinete, portanto, não vê que um herdeiro ao trono ou o rei deva abdicar se quiser casar com um parceiro do mesmo sexo", garantiu, segundo a Reuters, citada pelo jornal "Observador".

Como explicar a importância da bandeira LGBT em meia dúzia de parágrafos
Como explicar a importância da bandeira LGBT em meia dúzia de parágrafos
Ver artigo

Na sequência da decisão do primeiro-ministro, surgiram dúvidas face às possíveis repercussões que um casamento gay poderia ter na linha de sucessão ao trono. No entanto, Mark Rutte descarta a necessidade de refletir sobre o tópico, pelo menos para já, sendo que tudo “depende dos factos e circunstâncias do caso específico".

Apesar das especulações, a princesa Catharina-Amalia não teceu, até à data, qualquer comentário relativo à sua orientação sexual.

Pouco se sabe sobre a vida da filha mais velha do rei Guilherme Alexandre, que ascendeu ao trono em 2013, à exceção da confirmação de que recusou a bolsa de estudo a que teria direito enquanto estudante prestes a ingressar na faculdade.

Numa carta endereçada ao primeiro-ministro, a princesa fez questão de recusar o valor de 1,6 milhões de euros anuais a que tinha direito enquanto estudante, avança o jornal "The Guardian". “A 7 de dezembro de 2021 terei 18 anos e, de acordo com a lei, recebo um subsídio”, disse a princesa, acrescentando que decidiu recusar, por considerar “desconfortável” aceitar o dinheiro, num período marcado pela situação pandémica.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.