A coroação de Carlos III vai acontecer a 6 de maio, na Abadia de Westminster, no Reino Unido, oito meses depois da morte da sua mãe, a rainha Isabel II. Ao contrário da cerimónia de entronização da monarca, em 1953, a do rei será mais simples, mais curta e mais diversificada – e para a rainha consorte, Camilla, vai haver algumas mudanças.

Antes de morrer, Isabel II foi clara quando afirmou que, aquando da coroação do filho e da mulher, queria que Camilla fosse conhecida como rainha consorte, avança o "The Independent". Mas, inicialmente, pensava-se que iria ter o título de princesa consorte, como foi anunciado aquando do seu casamento com Carlos III em 2005 – e tal como aconteceu com o marido da falecida monarca, Filipe, que também era conhecido como príncipe consorte.

Ainda assim, o desejo de Isabel II sobrepôs-se ao que havia sido previamente comunicado, tendo sido cumprido. Aquando da sua morte, o Palácio de Buckingham informou, desde logo, que Carlos III era rei e Camilla a sua rainha consorte. No entanto, no dia da coroação, o título da mulher do monarca vai sofrer uma alteração, tornando-o muito mais simples – passará a ser apenas rainha.

"Há uma visão no palácio de que [o título] 'rainha consorte' é demasiado pesado e pode ser mais simples para Camilla ser conhecida apenas como rainha quando chegar a altura certa", disseram fontes do palácio de Buckingham, a residência oficial dos monarcas, citadas pelo "Daily Mail". E ainda acrescentaram que o facto de o relançamento da "The Queen's Reading Room" [sala de leitura da rainha, em português], um projeto de solidariedade de Camilla, não contar com a palavra "consorte" foi uma antevisão do que aí vem.

A par desta mudança, o rei também quer impor alterações na própria cerimónia: em vez das habituais quatro horas, durará pouco mais de uma hora, e a lista de convidados também será reduzida de 8 mil para apenas mil. Além disso, rituais antigos e demorados serão eliminados de forma a poupar tempo e o dress code será mais descontraído, permitindo que os convidados usem fatos e não os trajes tradicionais, explica o "Daily Mail".

Quanto a possíveis atuações nesse dia especial, ainda não há confirmações. Segundo a "W Magazine", ainda que haja uma probabilidade de as Spice Girls voltarem a subir aos palcos no dia da coroação com um espetáculo de arromba, também há quem tenha, alegadamente, recusado o convite do rei, como Adele e Ed Sheeran.

Mega concerto das Spice Girls pode acontecer no dia da coroação do rei Carlos III
Mega concerto das Spice Girls pode acontecer no dia da coroação do rei Carlos III
Ver artigo

O cantor não aceitou o convite por ter, no dia anterior, um concerto no outro lado do Atlântico, no Texas, Estados Unidos. Quanto a Adele, não houve uma justificação concreta que explicasse por que razão rejeitou o convite – até porque, de acordo com a agenda da artista, nem sequer tem concertos marcados para maio, avança a "Paper Magazine".

Uma das pessoas responsáveis pela organização ficou extremamente desapontada com as atitudes de ambos os músicos. "[Foi] uma grande decepção", explicou, citado pela "Paper Magazine". "Eles são titãs do mundo do espetáculo e são essencialmente britânicos, mas também conhecidos em todo o mundo. É uma pena", rematou.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.