Rachel Campey, natural de Leeds, Reino Unido, tem agora 21 anos, um filha de 6, e acabou de concluir uma licenciatura em psicologia do aconselhamento. O curso foi a concretização de um sonho que partilhou numa fotografia no Twitter.

"Quando descobri que estava grávida de ti aos 14 anos, prometi trabalhar sem parar para te dar a melhor infância que pude. Sete a oito sistemas de educação mais tarde, inúmeros empregos e tudo o que a vida poderia dar-nos. Hoje formei-me aos 21 anos com a minha filha de 6 anos ao lado", disse Rachel no Twitter.

A fotografia foi partilhada a 4 de dezembro, dia que ficou marcado depois de anos de luta e de ter sido vítima de bullying por ser mãe adolescente. A filha e a cartola na cabeça são a prova de que conseguiu ultrapassar todos os obstáculos.

Esta história tornou-se viral, alcançando mais de 121 mil gostos, 7,6 mil retweets e vários comentários. "Isto é fantástico. Eu fiquei grávida aos 17 anos e tinha os meus filhos de 5 e 1 ano de idade na minha cerimónia. Agora, a mais velha tem 21 anos e está a terminar o seu próprio curso no King's College", conta uma das utilizadoras na rede social.

Teve uma filha aos 14 anos. Prometeu-lhe que não ia desistir e, sete anos depois, terminou o curso

Há ainda um comentário da organização da qual é a embaixadora — a MindMate, que apoia jovens e profissionais — a dar os parabéns e a motivar esta mãe: "Parabéns. Trabalhou bastante para isso enquanto trabalhava noutras coisas, como ser embaixadora do MindMate. Obrigado."

A publicação de Rachel tentou acabar com o estigma de que não é possível ter sucesso académico depois de desistir da escola aos 15 anos, tal como aconteceu consigo quando descobriu que estava grávida. Depois disso, Rachel frequentou várias escolas antes de entrar no York College e ir para a universidade.

Esta mãe não só acabou o ensino regular, como o ensino superior, estando agora apta para exercer na área da psicologia. "Eu vi a cara da Lily-Rose [a filha de 6 anos] enquanto colocava a minha toga e a minha cartola e me preparava para a cerimónia e isso fez-me sentir que tudo valeu a pena", contou Rachel aos media, de acordo com o site "Bored Panda".

A mãe de 21 anos revela também que "se não tivesse tido a Lily-Rose, porque estava a ter dificuldade em lidar com a minha saúde mental, não estaria aqui agora. Ela mudou a minha forma de ver as coisas. Eu estava num caminho muito negro antes de a ter, e ela alegrou-me", diz.

Ashley tem 12 anos e é uma das crianças transgénero mais novas do Reino Unido
Ashley tem 12 anos e é uma das crianças transgénero mais novas do Reino Unido
Ver artigo

Apesar de no primeiro ano de universidade achar que não iria ser capaz de concluir os estudos, esse dia chegou, e sentiu-se completa, amada pela família, por ela mesma e pela filha — por quem e com quem lutou.

"Quando subi ao palco na cerimónia, eles acidentalmente pronunciaram o meu apelido de forma errada e ouvi-a a corrigi-los e a dizer 'essa é a minha mãe'", referiu Rachel, de acordo com o "Bored Panda".

A mãe não só foi reconhecida pela licenciatura, como pelo facto de ser uma inspiração, ganhando um prémio no Yorkshire Choice Awards 2020. Mas a formação não acaba por aqui. Rachel Campey quer continuar a educação até se tornar oradora.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.