Foi eleito como presidente da Assembleia da República (AR) o candidato do PS Augusto Santos Silva, de 65 anos. Na verdade, foi o único candidato para a presidência da AR, pelo que a dúvida que restava era sobre com quantos votos a favor venceria a eleição.

A contagem feita esta terça-feira à tarde, 29 de março, somou um total de 156 votos a favor, 63 brancos e 11 nulos, que deram a Augusto Santos Silva a sucessão do cargo que antes pertencia a Eduardo Ferro Rodrigues. Aliás, àquele a que sucede deixou palavras no primeiro discurso como novo presidente da AR perante o parlamento.

"É uma honra que excede seguramente o mérito pessoal", começou por dizer antes de falar sobre o último presidente a que sucede. "É uma inspiração maior de empenhamento cívico, exigência ética e integridade pessoal, um exemplo vivo da máxima de Ricardo Reis: 'Para ser grande, sê inteiro'", citou.

Pela primeira vez, Governo tem mais ministras do que ministros. Conheça as mulheres do novo executivo
Pela primeira vez, Governo tem mais ministras do que ministros. Conheça as mulheres do novo executivo
Ver artigo

"Sou apenas o primeiro sopro de um vento que estou certo que perdurará", continuou o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros antes de quase terminar o discurso com uma referência à crise de refugiados ucranianos. "Basta pensar um minuto na incrível força de tantas pátrias, que é a língua portuguesa, para entender da forma mais profunda que os bons requisitos para ser patriota é não ser nacionalista, isto é, em não ter medo de abrir fronteiras, de integrar migrantes, de acolher refugiados, de praticar o comércio e as trocas culturais."

Desde que o nome de Augusto Santos Silva foi anunciado até ao momento em que terminou o discurso, foram vários os aplausos recebidos pelo novo presidente da AR.

O discurso tardou a chegar devido a uma situação caricata no momento em que se partia para a contagem dos votos. Segundo a deputada Maria da Luz Rosinha (PS), a lista “não estava atualizada”, cita o "Observador", o que fez com que os deputados voltassem a ser chamados por ordem alfabética para dizer se votaram ou não.

A contagem começou então cerca de meia hora depois da confusão e foi feita à frente de todo o Parlamento pelos vices presidentes da AR Maria da Luz Rosinha (PS) e Duarte Pacheco (PSD).

A eleição teve lugar na segunda parte do dia em que os novos deputados ocuparam pela primeira vez o parlamento desde as eleições legislativas. Os 230 deputados sentaram-se no parlamento pelas 15h e minutos depois começou o processo para eleger o novo presidente da AR. Foram chamados por ordem alfabética para colocar o voto secreto na urna posicionada no centro do Parlamento.

O fim da votação aconteceu já às 15h46 e o resultado foi conhecido antes das 17h.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.