Há mais 95 mortes e 9.927 novos casos de infeção em Portugal pelo novo coronavírus. São estes os dados divulgados esta quinta-feira, 7 de janeiro, pela Direção-Geral da Saúde (DGS), no novo boletim epidemiológico.

Os dados são divulgados um dia depois de a ministra da Saúde Marta Temido ter mandado suspender toda a atividade não urgente nos hospitais da região de Lisboa para "garantir a alocação de meios humanos à área dos cuidados críticos" de forma a maximizar a capacidade de resposta nas unidades de cuidados intensivos.

Foi esta a medida comunicada pela ministra da Saúde, Marta Temido, ao presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) por e-mail, a que o jornal "Expresso" teve acesso. Com objetivo de garantir que os hospitais de Lisboa não esgotem a sua capacidade de resposta aos doentes infetados com a COVID-19, Marta Temido ordena a suspensão de toda "atividade assistencial programada não urgente que possa reverter em esforço de cuidados ao doente crítico".

COVID-19. Governo proíbe deslocações entre concelhos neste fim de semana
COVID-19. Governo proíbe deslocações entre concelhos neste fim de semana
Ver artigo

A decisão, escreve o mesmo jornal, surge no decorrer da reunião realizada esta terça-feira, 5, que contou com a presença da ARS e da comissão responsável por coordenar as transferências entre os vários hospitais.

No mesmo e-mail, Marta Temido diz ser essencial "garantir a resposta a uma procura [aos serviços de saúde] que se prevê crescente nos próximos dias".

"Os próximos dias vão ser muito difíceis e vão começar a refletir-se nas unidades de cuidados intensivos [UCI]. Neste momento, a taxa de ocupação em UCI na região de Lisboa é igual ou superior a 94%. E sabemos que taxas superiores a 80% não nos permitem dar resposta a todos os doentes", explica João Gouveia, presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos, ao jornal "Expresso".

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.