As mulheres grávidas com 16 anos ou mais vão começar a ser vacinadas contra a COVID-19, desde que estejam nas 21 semanas de gestação e seja respeitado um intervalo de 14 dias em relação à administração de outras vacinas, como de a tosse convulsa ou da gripe. A norma foi divulgada este sábado, 3 de junho, pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), e surge após um estudo mostrar que é seguro vacinar durante o período gestacional.

"Estudos recentes têm demonstrado que as vacinas são seguras durante a gravidez e capazes de induzir a produção de anticorpos protetores para as mulheres grávidas", diz coordenador da Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19, Válter Fonseca, à agência Lusa, conforme cita o jornal "Público".

Vacinação prossegue: já é possível agendar a partir dos 30 anos
Vacinação prossegue: já é possível agendar a partir dos 30 anos
Ver artigo

Segundo a norma, a vacinação só deverá ser efetuada após a realização de uma ecografia morfológica e as doses devem ser administradas nos centros de saúde. "Preferencialmente deve ocorrer no âmbito dos cuidados de saúde primários, onde há muitos anos os profissionais de saúde têm experiência na vacinação de grávidas", explicou Válter Fonseca. A DGS acrescenta ainda que após a vacinação contra a COVID-19, a amamentação não está contraindicada.

Nos próximos dias, será conhecido o método como as grávidas com 16 ou mais anos devem inscrever-se para a vacinação.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.