O grupo de hackers Lapsus Group, que há um mês atacou o Grupo Impresa, anunciou este domingo, 30 de janeiro, ter conseguido entrar no site do Parlamento português. Em dia de eleições legislativas, os piratas informáticos dizem ter conseguido entrar no site do Parlamento, acedendo a uma base de dados com informações pessoais de políticos e de partidos, documentos, e-mails e passwords.

"Hoje hackeámos o site do Parlamento e tivemos acesso a aplicações da Microsoft e a uma grande quantidade de bases de dados que contém informação sensível do Governo relacionada com informações pessoais de políticos e de partidos políticos, muitos documentos, emails, passwords…", referiu o Lapsus Group, citado pelo jornal "Expresso", acrescentando ainda que o site usa "sistemas tecnológicos antigos, sem manutenção".

Sites da SIC e "Expresso" estão reféns de hackers que exigem resgate. Grupo Impresa vai apresentar queixa
Sites da SIC e "Expresso" estão reféns de hackers que exigem resgate. Grupo Impresa vai apresentar queixa
Ver artigo

O site do Parlamento esteve em baixo durante cinco minutos e já se encontra operacional, avança a CNN Portugal. A Polícia Judiciária já está a investigar para  averiguar se de facto houve um ataque, se foi levada alguma informação e se o grupo é de facto o Lapsus, escreve o "Expresso".

Os sites do Grupo Impresa, nos quais se incluem órgãos de comunicação social como o "Expresso", a SIC e a "Blitz" e marcas como a plataforma de streaming Opto, foram alvo de um ataque informático no início do mês de janeiro. Ao grupo Impresa, o conjunto de hackers exigiu o pagamento de um resgate para a desbloquear o acesso aos sites.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.