Foi preciso uma pandemia para que Marcelo Rebelo de Sousa fosse à televisão relembrar-nos importância das pequenas coisas durante o tempo da pandemia que, garante, nos mudou a todos. E tendo em conta que vivemos numa fase em que é preciso repensar valores, umas aulas de cidadania não podiam ter vindo em melhor altura.

A aula do Presidente da República, a primeira desde 2018, altura em que deu a sua "última lição normal" como professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, arrancou às 13h30 como parte integrante do projeto #EstudoEmCasa.

O projeto, decorrente de uma parceria entre o Ministério da Educação e a RTP, tem como objetivo a produção de conteúdos direcionados para alunos do primeiro ao nono ano de escolaridade que, devido ao surto de COVID-19 no País, estão impossibilitados de ter aulas presencialmente nas escolas.

Quem está em teletrabalho com os miúdos em casa merece uma medalha de Marcelo quando isto tudo acabar
Quem está em teletrabalho com os miúdos em casa merece uma medalha de Marcelo quando isto tudo acabar
Ver artigo

Mas porque a aula, como todas as outras,  foi feita em canal aberto, na RTP Memória, além dos miúdos, também os adultos sintonizaram o canal para ouvir as lições de Marcelo Rebelo de Sousa. Foi, aliás, esse o ponto que o Presidente da República começou por reforçar. "Nunca os pais e os avós estudaram tanto como nos últimos dias", referindo-se ao papel fundamental da televisão.

De olhos virados para a câmara, deu por começada a aula que iria consistir nas suas lições sobre a pandemia. Estas foram as lições mais importantes de Marcelo Rebelo de Sousa.

Lição #1. A coisa mais importante da vida é a vida

"A coisa mais importante da vida é a vida e a saúde", começa por dizer. Mais do que o desporto ou a educação, "nada é possível sem vida e saúde".

E por isso, continua, "devemos agradecer aos nossos médicos, enfermeiros, auxiliares e técnicos, porque todos eles foram excecionais e muitos deles tiveram de dormir fora de casa, longe das suas famílias, durante dias, semanas, meses, para não os contaminar."

Lição #2. A situação que vivemos, vivemo-la na Europa

Na segunda lição, Marcelo Rebelo de Sousa reforçou a necessidade de se pensar no surto da COVID-19 como um problema europeu e global e criticou a desvalorização de alguns países. "Ao início, a Europa também andou distraída e houve países que olharam para o vírus como se fosse só de algumas economias", incapaz de transpor fronteiras.

"A Europa percebeu e foi menos egoísta do que boa parte do mundo", explicou.

Lição #3. O agradecimento a quem nos permitiu ficar em casa

"Nesta epidemia, o vírus pegava-se com muita facilidade a gente de todas as idades", começou por explicar. Por isso, diz que muitos dos portugueses ficaram em casa durante semanas e meses. Mas recorda que isso só foi possível porque houve quem fosse trabalhar para que a economia não fosse travada.

"Houve quem tivesse de tratar do lixo, das seguranças, das comunicações, dos correios, das mercadorias. E nunca é demais agradecermos a quem trabalhou diariamente, e em risco, e possibilitou que ficássemos em casa", concluiu.

Escritórios do futuro. "A primeira adaptação já chegou. É o teletrabalho, que veio para ficar", diz CEO da PHC Software
Escritórios do futuro. "A primeira adaptação já chegou. É o teletrabalho, que veio para ficar", diz CEO da PHC Software
Ver artigo

Lição #4. A importância de seguir as medidas de segurança

"O vírus atacou toda a gente, mas sobretudo os mais idosos, os mais doentes. E a nossa obrigação, e a vossa — que são mais novos —, é não pensarem que são eternos e que não devem seguir as regras de saúde", referindo-se ao uso de máscara, aos cuidados de higienização.

Precisamente para proteger os mais idosos e as pessoas com várias doenças associadas.

Lição #5. O vírus atacou a todos, mas impactou de forma diferente

Nesta lição, Marcelo Rebelo de Sousa recordou que embora o vírus contagiasse da mesma forma, o seu impacto era diferente consoante a situação sócio-económica do cidadão. "Atacou sobretudo os mais pobres, os mais fracos, os mais carenciados", refere.

E são esses os que têm menor "capacidade de resposta", porque "não têm teto ou têm casas sem condições, sem água e eletricidade" ou porque as condições de saúde não "são as mesmas que as vossas."

E ficou a vontade de "mudar um bocadinho o País".

Lição #6. A importância das pequenas coisas

"Vocês [referindo-se aos miúdos que assistiam a telescola] passaram semanas fechados em casa com os vossos irmãos, pais, avós e ficaram distantes de outros familiares, de amigos da escola. Nunca tinham estado tanto tempo longe deles."

Mas reconhece que isso, por vezes, "foi uma irritação, um cansaço" e até "uma guerra". Mas pede para que se olhe para o aspeto positivo: "Nunca nos últimos tempos tiveram tanto tempo juntos com os vossos irmãos e os vossos pais. Isso é uma sensação única porque mesmo quando não corre bem, a família é a família."

E conclui a lição: "Mudou muita coisa na vossa vida e descobrimos o valor das pequenas coisas. Quando não podíamos sair de casa, as pequenas coisas ganharam uma importância que geralmente não lhes dávamos. Nada é pequeno na vida. E só foi possível melhorarmos porque todos perceberam o sacrifício que tínhamos de fazer."

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.