Mães e pais em casa com os miúdos, o meu grande abraço e um ainda maior #tamosjuntos. Desde que Portugal (e grande parte do mundo) se recolheu para evitar a propagação do novo coronavírus, convivemos com as nossas crianças num misto de amor e ódio que roça muito a bipolaridade.

Variamos entre o sono profundo, as enxaquecas causadas pelas birras, a dificuldade em conseguirmos fazer o nosso trabalho com os miúdos sempre a quererem saltar para o colo e a exaustão de ouvir os Caricas a mandar-nos “cada um para o seu quadrado”. Caramba, eu queria é que as minhas filhas já fossem crescidinhas e estivessem cada uma no seu quarto entre as 9h e as 18h — com a devida pausa para almoço, que também não somos uns monstros, calma.

Na verdade, e brincadeiras à parte, volto à bipolaridade constantemente quando me queixo, mas penso logo a seguir que tudo isto seria mais difícil caso as minhas filhas ainda não fossem nascidas. Ainda no outro dia li algures na internet alguém a dizer isso mesmo, que por mais que nos partam a cabeça, isto da quarentena seria bem pior sem miúdos em casa. E talvez até seja verdade.

42 coisas em que pensei nesta quarentena enquanto não era produtiva
42 coisas em que pensei nesta quarentena enquanto não era produtiva
Ver artigo

Porém, numa altura em que grande parte dos portugueses está em teletrabalho, os nossos filhos têm o poder de nos pôr um sorriso na cara, mas também de nos levar à loucura. Em pouco mais de uma semana, tudo isto aconteceu durante o horário de trabalho:

— Enquanto falava ao telefone com um colega que me explicava algumas novas funcionalidades do nosso site, a minha filha de 3 anos entrou no escritório a berrar que tinha cocó no pé. Sim, no pé. Não estava sequer a perceber a lógica disto quando o cheiro que ficou na escritório foi indicador que tinha, de facto, acontecido cocó. Para perceberem a logística muito rapidamente, a miúda tinha um daqueles pijamas completos de animais da Primark, a fralda mudou de sítio, ela fez cocó, não pediu para ir ao bacio e o resto é história. Cocó no pé.

— Ainda no tema fraldas, estamos a fazer o nosso melhor nesta quarentena para as tirar. Não está a funcionar. Mais depressa ela coloca o bacio na cabeça e faz dele chapéu do que faz xixi lá para dentro.

— A bebé de 4 meses começou esta semana as sopas. Enquanto aproveitava uma pausa rápida para lhe dar de comer, no momento em que olho para o computador para ver se um artigo já tinha sido publicado, cuspiu-me toda de uma rajada. Mas à séria, ao ponto do computador ficar inundado em sopa. Patrão, se precisar de um novo, já sabes o que aconteceu.

— A minha filha mais velha desenvolveu um qualquer problema com o sentido de propriedade. Quer ser ela a fazer tudo, desde tirar a fralda, a fazer o pão, a abrir a porta do frigorífico, o que possam imaginar. Estava eu a escrever tranquilamente, e a aproveitar que ela estava a dormir (achava eu), quando se levantou da cama aos berros mal ouviu o bip da máquina da roupa a acabar. “A Carmo fazzzzzzzzzz!”. Expliquem-me.

— Interrompi o trabalho para lhe dar lanche, e dei-lhe um iogurte de banana para as mãos. “Quero de coco”, disse ela. “Não há de coco, filha”, respondi eu. O que sucedeu foram 15 minutos de drama ao nível da Fanny a gritar da casa para o João Mota, sendo que aqui o que batia forte lá dentro era mesmo o coco. Tenho vídeo, mas não a vou envergonhar a esse ponto.

— Estava novamente ao telefone, a fazer uma entrevista com um médico, quando a mais velha (é sempre a mais velha, os bebés são uns santos) me entra pela sala a pedir sopa, aos berros. Tentei disfarçar, fazer novamente a minha pergunta, quando desata num novo pranto, já com choro. “Dá-me sopa, mãeeeeeeee”. Seguiu-se um silêncio acusatório na minha chamada, e temo que a Segurança Social me bata à porta desde aí.

— Estava a fazer uma birra gigantesca enquanto eu descarregava uma entrevista. Disse do escritório: "Já vou aí falar contigo". A criatura respondeu-me: "Não quero falar contigo". 3 anos, 3. A lata da pessoa. Estou a criar uma ditadora ingrata.

Repito, tudo isto em seis ou sete dias de trabalho. Atenção, sei perfeitamente que sou uma das sortudas por ter as minhas filhas comigo, por ter a minha família em segurança e o privilégio de trabalhar a partir de casa. O meu máximo respeito por todos aqueles que se colocam em perigo, diariamente, para cuidar dos nossos doentes, para garantir que os supermercados continuam abertos, que Portugal continua a funcionar.

Feito o “disclaimer”, se sairmos disto vivos sem vontade de mandar os miúdos para a Patagónia, acho que merecemos todos uma medalha do Marcelo. Ou isso, ou pelo menos 10 minutos por dia naquele tal quadrado do Panda e dos Caricas, sem que ninguém nos chateie.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.