Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa que está de novo na corrida para as autárquicas de 2021, considera que a oferta de alojamento local (AL) "foi longe demais na cidade de Lisboa" e quer travar a abertura dos mesmos na capital. Esta será uma das medidas do programa eleitoral do candidato, conforme revelou em entrevista ao "Diário de Notícias".

O atual presidente da CML e candidato às próximas eleições reconhece que o alojamento local foi positivo até certa altura para dar resposta ao aumento da procura turística em Lisboa, para recuperar habitações e para que muitas famílias pudessem colocar os seus imóveis como AL. Contudo, a liberalização de mercado escalou e trouxe consequências irreparáveis.

Estes são os 25 municípios portugueses com preços mais acessíveis para comprar casa
Estes são os 25 municípios portugueses com preços mais acessíveis para comprar casa
Ver artigo

"Hoje, temos um número de registos de fogos em alojamento local muito mais elevado", afirmou o candidato à Câmara Municipal de Lisboa, notando ainda que o surgimento de um elevado número de alojamentos locais "começou a retirar casas do mercado, casas que estavam antes afetas à função habitacional".

Só no primeiro semestre de 2021, até junho, foram criados 3.762 novos alojamentos locais — número ainda assim inferior aos que foram criados no mesmo período em 2020 (um total de 7.153), segundo dados do projeto "Local Data", citados pelo "ECO".

Para o novo mandato, Fernando Medina propõe uma alteração à legislação do alojamento local, de modo a que o mercado não esteja completamente liberalizado. No entender do atual presidente do município de Lisboa, o principal problema relativamente ao alojamento local está no centro histórico da cidade, embora a ideia seja no futuro impossibilitar a abertura de mais alojamentos locais em toda a cidade.

Quanto aos que já existem, Fernando Medina promete que não vão sofrer alterações. "Não estou a tocar nas que existem. Para isso temos, aliás, um programa voluntário em que a câmara se dispõe a arrendar aos proprietários essas casas, para reduzir o risco que proprietário sinta", continua.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.