O mês de junho é dedicado à comunidade LGBTI+ desde a rebelião de Stonewall, a 28 de junho de 1969. Nessa madrugada, a polícia invadiu um bar gay em Nova Iorque, em Greenwich Village, o que espoletou protestos e manifestações da comunidade gay na altura. No ano seguinte, começaram a ser realizadas as primeiras marchas do Orgulho Gay. 

A primeira bandeira do orgulho gay era diferente da que vemos hoje
A primeira bandeira do orgulho gay era diferente da que vemos hoje
Ver artigo

O objetivo primordial do Pride Month é reconhecer o papel e a influência histórica da comunidade LGBTQI + na sociedade e sublinhar o percurso que ainda é necessário percorrer.

18 de junho

Depois de uma pausa provocada pela pandemia, a Marcha do Orgulho LGBTI+ regressa a Lisboa, começa às 17 horas no Príncipe Real e termina na Avenida das Naus. A organização ambiciona que esta seja “a maior Marcha de sempre”. 

Se nunca tiver participado pode descobrir mais sobre o evento, história e organizadores no site A marcha é linda. Além das questões da comunidade LGBTI+ a Marcha tem em atenção as questões ambientais, e assumiu que não existirão veículos motorizados a combustível fóssil ou elétricos e na página de Instagram apela à não utilização de plásticos não reutilizáveis. 

19 junho

Bragança estreou-se na Marchas em 2018 e no próximo domingo, 19 de junho, o encontro é no Largo Forte S. João de Deus às 15 horas para percorrer um caminho até à Praça da Sé. 

22 a 25 de junho

Vai decorrer a terceira edição da Conferência Internacional de Psicologia LGBT+ e Áreas Afins no Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida (ISPA), em Lisboa. Com convidados nacionais e internacionais, o objetivo é afirmar a psicologia LGBT+ como uma disciplina viável e legítima do ponto de vista científico, promover a troca de conhecimentos e boas práticas deste ramo da psicologia. 

25 de junho

Um dia muito completo de festejos, do Porto ao Algarve. Na Invicta vai decorrer a Marcha do Orgulho a partir das 15 horas. O percurso ainda é desconhecido mas o encontro final será no Largo Amor de Perdição. A organização MOP compromete-se a assegurar um ambiente inclusivo, seguro e com prática ecossustentáveis.  

Por Lisboa, os festejos não terminam depois da Marcha. A 25 de junho, decorre o Arraial Lisboa Pride na Praça do Comércio. Se participar na Marcha não parece suficiente, aumente a participação sendo voluntário do evento ou também pode marcar presença na feria associativa, pride village, bares ou na street food, sabe mais aqui.

O dia ainda será de festa na cidade de Faro, no Algarve. A Marcha começa às 15 horas na Praceta do Infante até à Avenida 5 de Outubro e ainda há um after party na Doca. 

26 junho

As ruas das Caldas da Rainha vão abrir pela primeira vez para as bandeiras e para os direitos da comunidade LGBTQI+.  O encontro para “lutar contra a resistência e toda a opressão” está marcado às 16h30m no skatepark e a marcha é até à Praça da Fruta. 

Julho

Não é o mês do Orgulho, mas há sempre tempo para comemorar. Dez anos depois, a 2 de julho, a ilha dos Açores volta a acolher uma Marcha do Orgulho LGBTI, em Ponta Delgada.

No mesmo dia, há outra Marcha do Orgulho, em Guimarães, com encontro marcado na Plataforma das Artes. 

A 9 de julho os festejos continuam pelo norte do País, com paragem em Barcelos, com encontro marcado às 15h, e no dia seguinte em Braga. 

Setembro

Depois do verão, as Marchas regressam e há mais uma estreia: em Vila Nova de Famalicão, marcada para 10 de setembro, com encontro na Praça Dona Maria II. Santarém e Leiria também vão marchar a 24 e 25 de setembro, respetivamente. 

Entre 16 e 24 de setembro decorre o Queer Lisboa 26, no Cinema São Jorge e a Cinemateca Portuguesa, que durante este período se limitam à transmissão de filmes sobre esta comunidade. 

Outubro

As Marchas deste ano terminam com a estreia de Vizela e a quinta edição em Viseu. Na Madeira, a 8 de outubro, há Marcha do Orgulho LGBTIQ e Arraial Pride no Jardim Municipal do Funchal. 

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.