De uma crise de escoliose que a deixou sem sair de casa durante dois meses, Joana Sternberg conseguiu tirar uma coisa boa. Aliás, várias. Depois de tanto tempo parada, decidiu, aos 24 anos, fazer uma mochila e seguir viagem durante três meses com o namorado.

Foi uma experiência enriquecedora em todos os sentidos, mas Joana destaca um: o desapego. "Tive que fazer uma mala apenas com dez peças de roupa e que fossem versáteis, porque iria apanhar tanto o calor de Israel como o frio dos países nórdicos", conta à MAGG.

Pelo caminho, esse despertar fez com que aproveitasse os dias em Londres para assistir a palestras sobre a indústria têxtil e chegou a participar em algumas trocas de roupa. Com toda esta experiência, o último mês de viagem já foi passado a trabalhar. "Reuni uma equipa para que, quando aterrasse em Portugal, começasse imediatamente a pôr em prática o que aprendi". E assim foi.

A 10 de dezembro dá-se o primeiro Mind the Switch, um evento no qual junta pessoas que preferem trocar roupa a comprar. Para participar, cada um leva as peças que já não usa, mas que ainda estão em bom estado, para poderem trocar por outras trazidas pelas restantes participantes.

Crónica. A roupa em segunda mão não é só fixe, é uma chapada na cara da Zara
Crónica. A roupa em segunda mão não é só fixe, é uma chapada na cara da Zara
Ver artigo

O sucesso ditou uma segunda edição e muitas mais por aí virão, não só em Lisboa, mas brevemente também no resto do País.

Para já, o próximo encontro está marcado para este domingo, 26 de janeiro. Joana aproveita um espaço privado em Caxias, mas não quer que este seja ponto obrigatório e o projeto tem força para voar para outras bases.

Das 16 às 19 horas, cada pessoa pode trazer até um máximo de cinco peças para troca, que podem ser roupa, calçado ou malas. Mas atenção, nada é aceite se estiver sujo ou com danos. No caso de poderem ser reparadas, não vão para os cabides de troca, mas podem ser aproveitadas para o workshop de upcycling de peças que também decorre durante o evento.

À entrada, as peças são trocadas por fichas, até porque a roupa vai estar categorizada e cada pessoa pode trocar o que leva por produtos da mesma categoria ou inferior. "Isto evita que as peças de qualidade desapareçam logo. Quem traz uma Primark, não pode trocar por uma Adolfo Dominguez, a troca tem que ser justa", explica Joana.

No final, caso não tenha conseguido escolher o mesmo número de peças do que as que levou, guarda as fichas para trocas no evento seguinte.

O que é que a crise climática está a mudar na indústria da moda?
O que é que a crise climática está a mudar na indústria da moda?
Ver artigo

Mas escolha não vai faltar. É que além da roupa que cada participante traz, nos charriots vão estar também peças de lojas que aderiram ao evento e doaram as coleções não vendidas e que, muito provavelmente, acabariam no lixo. É o caso da Virgencita e da Mustique.

A participação no evento tem um custo de 25€, no qual está incluída a troca de roupa, comida, bebida e música. Desta vez o evento conta com um DJ, mas os próximos terão também música ao vivo.

As inscrições e compra de bilhetes são feitas através do email geral.mindtheswitch@gmail.com ou na página do Instagram do evento.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.