Portugal regista já 48.320 infetados e 1.684 mortos pelo novo coronavírus. São estes os novos dados avançados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) no boletim epidemiológico deste sábado, 18 de julho. Estes números representam um aumento de 313 infetados, enquanto as vítimas mortais registadas são mais duas do que as de ontem.

Os dados são atualizados no mesmo dia em que é confirmado o primeiro caso de bebé infetado com o novo coronavírus em Portugal. A criança nasceu com 34 semanas e dois dias e apresentava sintomas graves de infeção por COVID-19, como falta de ar e pneumonia — o que obrigou à transferência imediata do bebé para a unidade dos cuidados intensivos do hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, onde ainda se encontra internado.

"Era uma gravidez que tinha infeção confirmada porque sabíamos que a grávida tinha COVID-19. Como tal, o levantar da suspeita em relação ao bebé permitiu que as colheitas fossem feitas de imediato", explica Fernando Cirurgião, diretor de serviço de obstetrícia do hospital São Francisco Xavier, ao jornal "Público". E adianta que a amostra de sangue recolhida do bebé logo após o seu nascimento confirma que houve transmissão vertical do vírus da mãe para a criança.

Temos de nos preparar para vários surtos de COVID nos próximos anos, alerta especialista em vírus
Temos de nos preparar para vários surtos de COVID nos próximos anos, alerta especialista em vírus
Ver artigo

"Importa lembrar que é um bebé prematuro por natureza. Esta doença infecciosa, a exemplo de outras, está associada a um maior risco de prematuridade. Como tal, são bebés que podem precisar desse apoio da neonatologia. Aí é que fica um bocadinho a dúvida quando à gravidade da situação", explica ao mesmo jornal.

E continua: "Comparativamente a outros bebés com esse tempo de gestação, parece-me que este poderá ter uma intensidade maior de sintomas e dificuldades que outros bebés com 34 semanas talvez não tivessem. É um bocadinho isso que leva a dizer que pode existir um componente associado à infecção materna e não só a maturidade."

A mãe do bebé, que não pertence a qualquer grupo de risco da doença, está já a recuperar da infeção assim como o recém-nascido que continua internado na unidade de cuidados intensivos do hospital.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.