Novas rotinas, e algumas de difícil adaptação. A vida para os professores não ficou facilitada com a pandemia, que obrigou muitos a lidar com tecnologias e métodos de ensino totalmente desconhecidos. Toda esta mudança provoca stresse e, em casos em que o desgaste já é anterior, pode mesmo levar a casos de burnout.

O burnout caracteriza-se como um síndrome de stresse crónico vivido no contexto de trabalho e "ocorre quando existe uma situação prolongada no tempo, em que a pessoa está a viver um conjunto de situação no local de trabalho, caracterizado por exigências ou condições negativas às quais não consegue dar resposta", explicou à MAGG Maria José Chambel, psicóloga do trabalho e das organizações, neste artigo.

Segundo o diretor clínico do Instituto de Apoio e Desenvolvimento (ITAD), Sérgio Pereira, o ensino à distância piorou a condição dos professores que já tinham sintomas de burnout. "Esta profissão teve de mudar e inventar possibilidades para que funcionasse", justificou à "Lusa", citado pelo "Correio da Manhã", o especialista.

Sérgio Pereira alerta para o facto de o burnout ser uma patologia do foro mental que, quando não é tratada, pode conduzir a doenças mais graves como a depressão e a ansiedade. Segundo o psicólogo, a pandemia veio trazer "um repúdio e um sentimento de ataque no ato de olhar para o computador em teletrabalho" a quem já sofria de algum tipo de esgotamento deixando ainda estes indivíduos incapazes de trabalhar.

Histórias extremas de mulheres que tiveram um burnout antes dos 30 anos
Histórias extremas de mulheres que tiveram um burnout antes dos 30 anos
Ver artigo

O teletrabalho fez com que deixassem de haver momento de distração e relaxamento entre colegas, algo que o especialista considera importante. Relativamente ao caso concreto dos professores, Sérgio Pereira afirma que "com o teletrabalho, caíram que nem moscas os que estavam a pender por um fio", visto que "tiveram de se adaptar a uma metodologia de ensino que não estava prevista". O psicólogo considera que esta situação representou uma sobrecarga pois "para além do trabalho que tinham de fazer [em circunstâncias normais], apareceram outras burocracias e outros modelos avaliativos que não havia antes".

Raquel Varela, historiadora do trabalho, não partilha da mesma opinião quanto à forma como a pandemia afetou os professores. A especialista refere à "Lusa" que "quem gostava muito da escola, ficou pior em teletrabalho, e quem estava em burnout na escola ficou melhor em teletrabalho",  isto porque o ensino à distância "afigurou-se como uma aparente fuga das más condições de trabalho".

Contudo, a investigadora admite que, para os professores mais velhos, o teletrabalho "pode ter aumentado a sua irritação e o seu desgosto" visto que tiveram de aprender a ensinar os alunos à distância e através de tecnologias com as quais não estavam familiarizados. Segundo dados divulgados em dezembro pelo Conselho Nacional de Educação referem que a a passagem da sala de aula para o virtual alterou o dia de quase cem mil docentes que trabalham nas escolas, sendo que a maioria tem mais de 50 anos.

Gustavo Carona teve um burnout, mas já está de regresso ao trabalho
Gustavo Carona teve um burnout, mas já está de regresso ao trabalho
Ver artigo

Além das patologias do foro mental, Manuel Carrageta, presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia, refere à "Lusa" que se verificam nos professores "muitos enfartes do miocárdio, muitos hipertensos e muitos casos de colesterol elevado" relativamente ao resto da população. Segundo o médico, as condições de trabalho estão relacionadas com o estilo de vida da classe docente o que acaba por influenciar das doenças identificadas nos professores. 

O médico sublinha que as condições de trabalho da classe docente influenciam as doenças identificadas nos professores porque estas estão relacionadas com o estilo de vida. "Se a pessoa é fumadora, se bebe álcool e come desregradamente e em demasia, se não faz exercício... tudo influencia a saúde. A profissão em si pode condicioná-la por causa dos horários demasiado prolongados e excesso de trabalho que vai para casa", explica à "Lusa", citado pelo "Correio da Manhã".

De acordo com dados de 2016, da Associação de Psicologia da Saúde Ocupacional, 17,3% dos portugueses sofrem com a patologia de burnout. Os burnouts têm sido mais frequentes nos últimos anos, dado que apenas 9% dos trabalhadores nacionais assumiam passar por esta situação em 2008. Em 2013, apenas cinco anos depois, o número aumentou para 15%.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.