Ainda não tinha chegado à Universidade Católica de Lisboa quando Mariana Félix Lopes, de 17 anos, estudante do primeiro ano do curso de Comunicação Social, soube que as paredes tinham sido vandalizadas esta sexta-feira, 30 de outubro, com mensagens racistas e xenófobas.

"Acordei já com mensagens num grupo de amigos a dizer que tinham vandalizado a faculdade. Depois, quando cheguei à faculdade, vi aquilo tudo e ainda não tinha sido nada feito", conta Mariana à MAGG.

Marido de Isabel dos Santos morre aos 48 anos. Afogamento durante mergulho será causa provável
Marido de Isabel dos Santos morre aos 48 anos. Afogamento durante mergulho será causa provável
Ver artigo

A estudante de Comunicação Social e uma amiga decidiram dirigir-se à direção para dar conta da situação e foi então que as medidas começaram a ser tomadas.

"Por volta das 10h começaram a pintar os muros de branco", relata. Entretanto, Mariana Félix Lopes refere que recebeu um e-mail da Universidade Católica de Lisboa no sentido de condenar as frases que foram escritas a negro. Entre estas, agora apagadas, podia ler-se "por uma Católica sem escarumbas", "viva a raça branca", ou "fora com os pretos".

Entre os colegas mais próximos de Mariana todos mostram-se contra as mensagens escritas em redor da faculdade, mas a estudante revela que há quem se tenha mostrado a favor. "De fora, já ouvi um rapaz a dizer que não condenava porque eram 'escumalha'", diz Mariana Félix Lopes.

A situação suscitou na estudante de Comunicação Social uma grande revolta que a levou a partilhar a situação no Facebook, acompanhada de uma larga descrição a condenar as mensagens escritas na faculdade que frequenta apelando, por fim: "Não se calem, não deixem nenhum destes casos passar despercebidos, falem e façam acontecer, porque é mesmo por não se falar sobre isto que a extrema direita está a crescer em Portugal e no mundo".

A partilha também foi feita no Twitter, publicação essa que se tornou viral alcançando 1,3 mil retweets e 514 comentários. Entre estes há quem dê conta de situações semelhantes na Escola Secundária António Damásio, em Lisboa, e no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE) — de onde também foram partilhadas fotografias.

Há ainda relatos de mensagens racistas e xenófobas nas Escola Secundárias da Portela, Olivais e Sacavém, que dão conta de frases como "Portugal é branco. Pretos, voltem para África" ou "fora com os pretos! Por uma escola branca".

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.