Foi encontrado o corpo de David Mota, o rapper português que estava desaparecido desde março. O cadáver foi descoberto na zona de Sesimbra, a 50 quilómetros de sua casa, numa zona de mato, avança o “Correio da Manhã”. O corpo já se encontrava em elevado estado de decomposição e foi identificado através da roupa e da mala a tiracolo que usava no dia em que desapareceu.

O rapper foi assassinado e as autoridades acreditam que tinha sido devido ao ouro que ostentava nos videoclipes e no dia a dia. Mota Jr., nome artístico, foi assaltado ao chegar a casa a 15 de março e terá tentado defender-se. Os assaltantes feriram-no e esperaram que a mãe do rapper saísse de casa onde vivia com o filho, já no dia seguinte, para poderem levar o restante ouro. A polícia acredita que a morte do jovem terá acontecido na própria noite do assalto ou no dia seguinte ao rapto.

Mãe do rapper David Mota conta como o filho terá sido raptado e diz que viu "pingos de sangue" na entrada do prédio
Mãe do rapper David Mota conta como o filho terá sido raptado e diz que viu "pingos de sangue" na entrada do prédio
Ver artigo

A gravidade da situação já se conhecia, uma vez que perto de casa, num túnel que dava acesso aos apartamentos onde David Mota vivia, ficou uma grande quantidade de sangue, atribuído a golpes de faca. Ainda assim, a polícia crê que estas não são provas suficientes para descortinar o que terá acontecido exatamente no local. Espera-se agora pela autópsia para desvendar com mais certeza o que sucedeu no túnel.

O rapper foi visto pela última vez dia 15 de março, já durante a noite. O alerta do desaparecimento foi dado por uma vizinha que tinha encontrado alguns itens pessoais de David à porta do prédio, explicou em abril a mãe do artista a Fátima Lopes. Depois de ter visto que o filho não se encontrava no quarto, Filomena Mota saiu de casa e viu salpicos de sangue junto ao elevador.

“Dava a sensação que eram pingos de sangue, como se alguém lhe tivesse batido”, disse à apresentadora. Chamou a polícia, que disse não poder fazer nada. “Eles foram lá a casa e disseram que não podiam fazer nada porque não sabiam se aquele sangue era do David ou de outra pessoa qualquer. Disseram que não podiam fazer nada e que se iam embora. Eu perguntei se não podiam ir dar uma volta ao bairro para ver se viam alguma coisa”, recordou Filomena Mota.

No dia seguinte, a mãe e a irmã de David Mota foram prestar declarações à polícia e a casa foi assaltada. Segundo Filomena, estavam em falta o dinheiro e o ouro do filho.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.