Os três arguidos suspeitos da morte de Jéssica, 3 anos, na segunda-feira, 20 de junho, vão ficar em prisão preventiva. A medida de coação foi conhecida este sábado, 25 de junho, após a mulher de 52 anos, o marido de 58 anos e a filha, de 27, indiciados como os responsáveis pela morte da menor, terem sido ouvidos pelos juízes do Tribunal de Setúbal.

Após os interrogatórios desta sexta-feira e sábado, o tribunal decidiu que os suspeitos devem aguardar em prisão preventiva até ao julgamento, conforme foi pedido pelo Ministério Público, segundo a CNN Portugal/TVI.

Ana Cristina Justo, a suposta ama da criança segundo a versão inicial contada pela mãe, assim como o marido e a filha foram detidos pela Polícia Judiciária na quinta-feira, 23, e desde então têm sido divulgados vários dados sobre o caso.

Pai de Jéssica denuncia maus tratos anteriores. Criança estava sinalizada na CPCJ, mas processo foi arquivado
Pai de Jéssica denuncia maus tratos anteriores. Criança estava sinalizada na CPCJ, mas processo foi arquivado
Ver artigo

Jéssica terá sido raptada devido a uma dívida que a mãe tinha para com Ana Cristina Justo, também conhecida como "Tita", e segundo o pai da criança esta já sofria de maus tratos antes do episódio que levaria à morte de Jéssica.

A menor estava referenciada pelas Comissões de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), e apesar de ter sido aberto um processo em 2020, este acabou por ser encerrado há cerca de um mês.

Jéssica morreu na segunda-feira no hospital de Setúbal, no qual deu entrada com ferimentos na cara e hematomas no corpo. As equipas médicas já não conseguiram salvar a criança de 3 anos, cuja autópsia revelada na quarta-feira confirmou os maus tratos.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.