António Costa anunciou esta quinta-feira, 11 de março, que as creches, o pré-escolar e o ensino do 1ºciclo abrem já na próxima segunda-feira, 15 de março, para aulas presenciais. Apesar da utilização de máscara continuar a não ser obrigatória para crianças até 10 anos, no final da semana passada, o Ministério da Educação deu indicações às escolas para que comprassem um kit com três máscaras comunitárias para os alunos do 1º ciclo.

Contudo, a opinião de diretores das escolas e dos encarregados de educação diverge quanto à necessidade de utilização de máscara por estes alunos. Enquanto a Associação Nacional de Diretores de Escolas (ANDE) entende que medida pode reforçar a segurança, a Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) não vê vantagens na sua adoção, notícia esta sexta-feira, 12, o jornal "Público".

Creches, pré-escolar, 1.º ciclo e cabeleireiros reabrem dia 15, cafés continuam fechados. Conheça as medidas de desconfinamento
Creches, pré-escolar, 1.º ciclo e cabeleireiros reabrem dia 15, cafés continuam fechados. Conheça as medidas de desconfinamento
Ver artigo

Manuel Pereira, presidente da ANDE, considera que, tendo em conta as regras seguidas no primeiro período, há confiança de que o regresso ao ensino presencial decorrerá nas melhores condições, mas refere que as escolas vão tentar reforçar a segurança através da utilização de máscaras pelos alunos do 1.º ciclo. "Estamos a trabalhar para ter a colaboração dos encarregados de educação nesse sentido", avança o dirigente citado pelo "Público".

Jorge Ascenção, presidente da Confap, realça que há uma grande divisão entre os pais sobre este tema uma vez que muitos são contra a utilização de máscara pelas crianças. "Não temos, neste momento, dados científicos objetivos que nos digam que o uso de máscaras nestas idades é mais vantajoso", referiu, citado pelo mesmo jornal.

Apesar do Ministério ter indicado às escolas do 1º ciclo a compra destes kits de máscaras, este estabeleceu também que a utilização de máscaras pelos alunos mais novos será "voluntária". Esta foi então uma medida tomada por "razões de prudência, cabendo aos respetivos encarregados de educação a decisão sobre a sua utilização". Segundo o ministério, são "cada vez mais recorrentes as solicitações de pais e encarregados de educação para a utilização de máscaras por crianças a partir dos seis anos".

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.