Francisco Pinto Balsemão foi o convidado de Daniel Oliveira, na emissão deste sábado, 25 de setembro, do "Alta Definição", da SIC. O chairman e fundador do grupo Impresa falou sobre a infância, o percurso político e empresarial e também sobre os momentos mais difíceis da sua vida pessoal, as mortes do pai e da mãe.

"O meu pai acabou por morrer com uma coisa do coração, a minha mãe com um acidente completamente estúpido, aqui nesta casa. O roupão que ela tinha, que era de nylon, pegou fogo no aquecedor que ela tinha casa de banho. Imagine, a estupidez mais completa", disse Balsemão.

O fundador do "Expresso" e antigo primeiro-ministro é o único filho de Henrique Patrício Pinto Balsemão e Maria Adelaide van Zeller de Castro Pereira. Como relata na sua autobiografia "Memórias", lançada em agosto, o pai moreu a 16 de agosto de 1964, aos 66 anos, "de uma trombose quase fulminante".

Balsemão acusa Marcelo de traição e fala de Cristina: "A fama e o prestígio subiram-lhe à cabeça"
Balsemão acusa Marcelo de traição e fala de Cristina: "A fama e o prestígio subiram-lhe à cabeça"
Ver artigo

Ainda sobre a morte trágica da mãe, Francisco Pinto Balsemão disse que não quis identificar o corpo. "Não quis ficar com essa péssima imagem de um corpo calcinado quando tinha uma imagem linda da minha mãe. A minha mãe era uma senhora muito bonita", explica a Daniel Oliveira.

O chairman do grupo Impresa enalteceu ainda o papel que a mãe teve no seu percurso profissional. "A minha mãe achava que eu era o máximo, para ela não havia ninguém melhor do que eu. Dava-me muita confiança, por vezes excessiva, até", recorda.

"Arrependo-me de algumas coisas que fiz"

Em 2022, a SIC assinala o seu 30º aniversário. No mesmo ano, Francisco Pinto Balsemão completará 85 anos e, no ano seguinte, o semanário "Expresso" celebrará meio século no mercado. "O segredo está nos alicerces mas também no profissionalismo e na gestão. devemos ser das poucas empresas portuguesas [de media] que ganham dinheiro", explicou Balsemão a Daniel Oliveira.

Questionado pelo apresentador sobre os seus arrependimentos, o antigo primeiro-ministro recordou a fase final do VIII Governo Constitucional. "Arrependo-me da parte final do meu período de governo de não ter sido mais duro com algumas pessoas que mereciam mas, enfim, são pequenos intuitos vingativos que, se calhar, não têm grande importância", explicou. "Arrependo-me de algumas coisas que fiz mas que não têm muito a ver com a minha vida profissional, terão mais a ver com a minha vida sentimental, etc, que também não vou aqui revelar", acrescentou ainda.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.