A mais recente convidada de "Conta-me", o programa de conversas intimistas da TVI, foi Mafalda Castro. A animadora da MegaHits e apresentadora dos formatos diários de "Big Brother" aceitou o convite de Maria Cerqueira Gomes e a conversa, que decorreu em Sintra, foi exibida na tarde deste sábado, 18 de dezembro.

Numa conversa pautada pela honestidade, mas também pela descontração, a apresentadora falou do preconceito associado ao facto de ser influenciadora digital e da forma como, a certa altura, sentiu ter de se esforçar para, aos olhos dos outros, parecer "mais inteligente". Logo para início de conversa, Mafalda Castro começou por se descrever como alguém que, durante a infância, viveu "na luta de não querer ser igual aos outros". "Sempre quis ser a diferente. Se tinha os ténis iguais aos da minha amiga, passava o dia mal", recorda.

Nuno Santos, diretor da CNN Portugal, recorda a morte do pai. "Foi o maior choque da minha vida"
Nuno Santos, diretor da CNN Portugal, recorda a morte do pai. "Foi o maior choque da minha vida"
Ver artigo

Embora nunca tivesse sido uma aluna excelente, era a que marcava a diferença por ser "faladora". Este gosto por falar e por estar associada à comunicação, explica, vem por influência da tia, Maria João Simões, que atualmente faz parte da rádio Observador. "Lembro-me de fazermos as duas uma emissão especial do Dia da Criança [noutra rádio e há vários anos] e de, desde então, querer ser igual a ela. Foi assim que comecei a perceber a magia da rádio".

Por isso, quando tirou o curso de Comunicação Social, Mafalda Castro nunca passou "pela dúvida de não saber o que ia fazer". Sabia que passaria pela comunicação, independentemente do formato. E quando entra na faculdade, o seu blogue, que surgiu durante as aulas do ensino secundário, já estava a funcionar. "Tinha tardes livres depois das aulas e achei que precisava de fazer qualquer. Comentava as semanas da moda [nacionais e internacionais], e depois passei só a mostrar os meus looks até o meu blogue tornar-se só nisso".

Nas suas palavras, Mafalda Castro terá sido das primeiras bloggers que, após figuras como Ana Garcia Martins (A Pipoca Mais Doce), começou a trabalhar diretamente com marcas através de um blogue.

Após a faculdade surge, em 2016, o primeiro formato na MTV, as MTV It Girls, com algumas influenciadoras digitais até que, em 2018, entra para a MegaHits, onde ainda está.

"Por ser influenciadora, fui a vários sítios que, caso contrário, nunca teria tido oportunidade de conhecer"

Questionada por Maria Cerqueira Gomes sobre se, em algum momento, sentiu que crescer na área da comunicação foi difícil por ser influenciadora, Mafalda Castro acredita que não. "Ter alguns seguidores ajudou", referindo-se à altura em que é convidada para a MTV It Girls ou, mais tarde, para a MegaHits.

"Se há algum preconceito associado ao facto de ser influenciadora? Talvez sim. As pessoas podem dizer que estou aqui por ser influenciadora, mas estou. Por ser influenciadora, fui a vários sítios que, caso contrário, nunca teria tido oportunidade de conhecer", sublinha.

Diogo Amaral. "Chateia-me essa conversa de falar mal do que nós fazemos e da nossa televisão"
Diogo Amaral. "Chateia-me essa conversa de falar mal do que nós fazemos e da nossa televisão"
Ver artigo

Em 2018, integra a equipa do "The Voice Portugal", na RTP1, enquanto repórter. Terá sido num dos primeiros diretos que se sentiu desconfortável com a imagem. Tinha um vestido vermelho e recorda-se de que, momentos antes de entrar em direto, achar que "o primeiro impacto seria o da imagem". "Mesmo que tu saibas que isso não é o mais importante, é o que acaba talvez acabe por ter impacto. Achei que estava toda a gente focada nisso e senti que tinha de me esforçar para parecer mais inteligente porque, de repente, estava loira, com um vestido vermelho e de decote. Mas depois paras de pensar nessas coisas."

Ainda que admita odiar que não a levem a sério, reforça que, embora tenha aprendido muito com a experiência na RTP1 onde pôde trabalhar diretamente com Vasco Palmeirim e Catarina Furtado, que ainda hoje são duas grandes referências para si, foi na TVI que sentiu ter espaço para ser tal como é. "Nunca me pediram para ser menos ou diferente do que sou", e enquanto isso acontecer, diz, estará "bem" e "feliz".

O convite, lançado por Nuno Santos, para integrar a TVI acontece em 2020 para apresentar os formatos extra e diários do "BB2020". O feedback do público, recorda, talvez não tenha sido positivo ao início, mas não se sente injustiçada.

"As críticas ao corpo são injustas"

"Sinto que, talvez, as pessoas não tenham gostado de mim logo ao início, mas acontece. Não me sinto nada injustiçada e percebo perfeitamente. De repente, estava ali uma miúda de 26 anos a agarrar um programa com pessoas [Maria Botelho Moniz e Cláudio Ramos] que tinham o dobro da minha experiência. Sinto que foram duros [referindo-se ao público] comigo, mas isso ajudou-me", diz. Sobre se lhe é fácil lidar com as críticas, remete o ónus para a imprensa.

"Parece-me que a imprensa pega em dois comentários e cria a perceção [de algo que não existe], mas faz parte do jogo. Já as críticas ao corpo são injustas. Fala-se muito da falta de representatividade na televisão, mas quando alguém surge fora dos números [de roupa] padronizados, há críticas."

A influenciadora, recorda, ouviu, leu e confrontou-se por inúmeras vezes com comentários vários. "Todos os dias perguntam se estás grávida, se engordaste e porque é que não tapas essa parte do teu corpo. E isso é uma coisa que se sente do público e da imprensa", continua.

"Odiava aquela pergunta: 'Estás grávida?'. Não, estou só com a barriga para a frente, estiquei a barriga. Às vezes estou mais a pensar naquilo que estou a dizer do que propriamente em encolher a barriga. Essas coisas magoam-me. Sei que não devia ligar a isso. Gostava de dizer que não influenciou [a perda de peso], mas não sei. Mas agora estou bem."

"Encontrei a pessoa que combina comigo"

Aos 27 anos, Mafalda Castro mantém uma relação, desde 2020, com Rui Simões, que inicialmente era repórter do "Big Brother" e que agora é animador da Cidade FM.  "Não discutimos nada porque, como temos o mesmo tipo de trabalho, ele percebo quando, depois de estar a fazer as manhãs [na rádio MegaHits], só quero estar calada o resto do dia. Ele percebe, não discutimos e isso é fantástico." A química levou a que os dois criassem um podcast juntos, que apelidaram como "Bate Pé", e através do qual falam sobre tudo, como se de um jantar se tratasse.

Questionada por Maria Cerqueira Gomes sobre se quer casar, a influenciadora deixa a hipótese em aberto. "Acho que quero. Adorava ter um vestido de casamento, mas [a cerimónia] tem de ser uma coisa pequena. Acho que ele [referindo-se a Rui Simões] é o homem da minha vida, senão não estava com ele. Encontrei a pessoa que combina comigo, que faz sentido em todos os momentos da minha vida."

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.