Já não é novidade que Harry e Meghan Markle estão prestes a sair da família real, mas todo o processo, esse sim, é uma novidade. Apesar de outros membros da família real terem procurado independência, como as princesas Eugenie e Beatrice, primas de Harry e filhas de Andrew Albert, duque de York, o caso dos duques de Sussex é diferente.

O casal tem uma grande exposição mediática e a decisão de se tornarem independentes, passando a viver no Canadá, exige medidas de segurança iguais ou até superiores às que tinham quando ainda faziam parte da família real. Por isso, os custos para garantir a segurança do casal tem sido um dos temas mais falados.

Até agora, os valores mencionados nunca estão abaixo dos 1,5 milhões de euros — valor que não agrada os canadianos. De acordo com o site "Business Insider", uma pesquisa recente revela que 73% da população não apoia a ideia de serem os contribuintes do país a cobrir os custos de segurança de Harry e Meghan.

Para avaliar os riscos a que o casal está efetivamente exposto, existe um guia de avaliação das ameaças e riscos (TRA), com o objetivo de planear uma resposta de segurança eficaz. O TRA, elaborado em 2007 pelo governo do Canadá, não mostra apenas as medidas de proteção devem ser tomadas, como também informações sobre ameaças passadas contra a família real e o cenário de perigo no país. E é com base neste guia que se vai definir um programa de segurança final para os duques de Sussex, bem como os respetivos custos.

Estes começam logo pela elaboração do programa: uma empresa americana pode cobrar entre 22 e 44 mil euros. Depois, para aplicar o plano, os custos começam a acumular-se.

Príncipe Harry grava canção com Jon Bon Jovi
Príncipe Harry grava canção com Jon Bon Jovi
Ver artigo

Logo na casa, onde os duques de Sussex devem instalar um sistema de alarme e câmaras de alta tecnologia, os valores podem chegar aos 45 mil euros. A este valor pode ainda ser acrescentados mais de 400 mil euros, para construir uma sala de pânico — outra das recomendações definidas no TRA.

Continuamos a usar o sinal de soma: se os duques acharem importante investir num carro blindado de luxo, os valores nunca serão menores do que 8 milhões de euros e se às medidas de segurança também quiserem acrescentar oficiais de proteção particular, esta opção, de acordo com Jim Rovers, vice-presidente sénior de operações da AFIMAC, empresa internacional de consultoria em segurança, pode custar 1,4 milhões de euros por ano no caso de serem contratados cinco oficiais a tempo inteiro (se a avaliação das ameaças assim o justificar).

Uma vez que Harry e Meghan vão tornar-se financeiramente independentes, são eles a decidir se querem aceitar todas ou apenas algumas das recomendações do TRA, de acordo com o orçamento disponível.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.