A apresentadora Tânia Ribas de Oliveira foi convidada do programa "Conta-me", da TVI, e durante a conversa conduzida por Manuel Luís Goucha falou sobre a forte ligação com o avô, a família e os desafios no mundo televisão, de onde leva um amor para a vida: João Baião.

"Eu sou louca por ele. Nós todos os dias falamos. Todos os dias mandamos mensagens de manhã, 'bom dia, meu amor', 'dorme bem, meu amor, beijinhos'. Quem se vai deitar primeiro manda a mensagem", e é assim há 13 anos, conta Tânia Ribas de Oliveira sobre a relação com o colega de profissão e amigo João Baião, que atualmente faz dupla com Diana Chaves na "Casa Feliz", na SIC.

João Baião e Tânia Ribas de Oliveira trabalharam em conjunto na RTP nos programas “Portugal no Coração”, de 2007 a 2013, e na “Praça da Alegria”, de 2013 a 2014, oportunidade que surgiu quando a certo dia Nuno Santos apresentou uma proposta de programa talk show a Tânia Ribas de Oliveira revelando apenas: "[Será] com uma pessoa que acho que faz todo o sentido, porque tu és o talk e ele é o show", conta a apresentadora a Manuel Luís Goucha.

Manuel Luís Goucha. "Nunca deixei de ser feliz, mesmo perdendo"
Manuel Luís Goucha. "Nunca deixei de ser feliz, mesmo perdendo"
Ver artigo

Foi assim que começou a amizade de longa data com João Baião, mas antes de aqui chegar, Tânia Ribas de Oliveira licenciou-se em Sociologia do Trabalho, foi estagiária durante nove meses no programa "Alô Portugal", da RTP, e só depois passou para repórter da "Operação Triunfo", no mesmo canal.

A televisão está presente na vida de Tânia Ribas de Oliveira desde as brincadeiras de infância, mas foi na RTP que descobriu verdadeiramente o gosto pelo mundo da televisão. "São muito poucas as pessoas que, como nós [Tânia e Goucha], têm o privilegio de trabalhar todos os dias numa paixão gigantesca que não apaga", diz. "Acho que não faço mais do que a minha obrigação senão entregar-me totalmente aos programas que eu faço, seja no riso, na compreensão, no silêncio ou na dádiva", continua.

No que diz respeito ao futuro da carreira, Tânia Ribas de Oliveira reconhece que "estamos todos na mão da escolha de alguém", mas não se preocupa com o fator idade.

A entrevista, que foi transmitida a 10 de novembro, teve lugar no museu do Estádio José Alvalade, em Lisboa, uma vez que Tânia Ribas de Oliveira praticou ginástica rítmica durante 25 anos— dos 5 anos 28 anos — no Sporting Clube de Portugal, por influência do pai. "Era uma ótima fuga à escola", diz Tânia, embora admita que era uma boa aluna na escola.

Tânia Ribas de Oliveira. "Por mais que eu tente romantizar, todos saímos a perder com a pandemia"
Tânia Ribas de Oliveira. "Por mais que eu tente romantizar, todos saímos a perder com a pandemia"
Ver artigo

Contudo, foi na ginástica que passou os momentos mais marcantes da juventude. "Eu adorava fazer ginástica, mas aquilo de que eu gostava mesmo era o convívio" com as colegas com quem partilhou "todas as pequenas conquistas das meninas", como os primeiros sutiãs, lembra.

Mais tarde, Tânia Ribas de Oliveira conheceu o judoca João Cardoso através de um amigo em comum e entretanto já lá vão 15 anos de relação e 11 de casamento. O segredo? "Temos as nossas coisas, mas acho que temos um equilíbrio muito simpático. Tentamos não ultrapassar os limites um do outro, ou seja, o respeito é sempre a base de todas as relações", revela a apresentadora.

"Há dias em que ele mete a chave à porta e eu fico com borboletas no estômago", diz.

Em conjunto, Tânia e João tiveram dois filhos, Tomás, de sete anos, e Pedro, de cinco. Quanto a Tomás, a apresentadora descreve como um "desportista nato", como o pai, e revela que na "escola é muito justo. Defende sempre os mais frágeis". Com apenas sete anos, Tomás foi eleito "representante da turma para as Eco-Escolas".

Já Pedro, "derrete qualquer pessoa", diz Tânia e acrescenta: "É um girassol. Não há ninguém que lhe fique indiferente". Bauer, o cão, também faz parte da família e já tem 13 anos.

A família é precisamente um dos pilares da vida da apresentadora da RTP, tema que dominou quase toda a conversa com Manuel Luís Goucha, particularmente sobre o avô de Tânia, o avô Ribas, que era também um grande fã de João Baião. "Mas também quem não adora o João Baião", brinca a apresentadora.

tania ribas

"Eu dizia que ele era o homem perfeito desde pequenina. Não sei. Era uma paz, uma tranquilidade", recorda sobre o professor de português, que morreu em setembro de 2014 com um cancro no pulmão. A apresentadora lembra-se que na altura não conseguiu sequer ir trabalhar, mas passado cinco dias teve de retornar à RTP, uma vez que na época tinha acabado de estrear o programa "Agora Nós".

A perda foi difícil de lidar, mas hoje em dia "a saudade já é uma companhia, temos de aprender a viver com ela", termina Tânia Ribas de Oliveira.

Mais de um mês após a entrevista com Manuel Luís Goucha, a 23 de dezembro, a apresentadora do programa "A Nossa Tarde", na RTP, descobriu que estava infetada com COVID-19 e, entretanto, já está livre do vírus. A notícia foi revelada através do Instagram este sábado, 2, através de uma fotografia do teste novo coronavírus cujo resultado deu negativo.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.