O mar sempre fez parte do percurso do atual vice-almirante Henrique Gouveia e Melo: começou a nadar aos 5 anos, a fazer vela aos 8 anos e esta ligação desde pequeno que o levou aos 18 anos a entrar na Escola Naval, em Lisboa. Mas foi a data de 3 de fevereiro de 2021, quando aceitou coordenar o plano de vacinação contra a COVID-19, que fez com que o nome Henrique Gouveia e Melo fosse conhecido e reconhecido.

O vice-almirante Henrique Gouveia e Melo foi o convidado deste sábado no programa "Alta Definição", conduzido por Daniel Oliveira, e um dos temas foi precisamente o desafio de coordenar o grupo de trabalho já extinto.

Desse período, ficaram duas expressões: "A palavra que me ecoa mais é o 'obrigado'" dos portugueses, confessou, e "o que é que é necessário fazer?" — questão permanentemente feita pela equipa que o acompanhou .

A gestão das vacinas contra a COVID-19 e da administração das mesmas de forma eficaz a toda a população não foi o único desafio, o militar também teve de lidar com situações inesperadas, como o dia em que foi recebido com protestos de pessoas anti-vacinas, no Centro de Vacinação de Odivelas.

"Sendo militar, estou habituado a situações difíceis, mas afeta-nos", disse referindo-se aos insultos de que foi alvo. "Fico afetado quando me chamam assassino e genocida, porque não é uma linguagem a que estou habituado a ouvir e esse tipo de coisas mexe comigo". O vice-almirante recorda que tem origens judaicas, como muitos portugueses, e que terem feito referências ao genocídio o deixou perturbado.

Contudo, o militar nunca perdeu a postura, nem a farda, que fez questão de usar sempre que se apresentava em funções de combate à pandemia. "Queria aparecer como oficial das Forças Armadas, mas também passar a ideia de que este vírus é perigosíssimo e que nós estávamos em guerra. E a guerra é da comunidade contra o vírus. Tínhamos de nos proteger enquanto comunidade", justificou a Daniel Oliveira. O uniforme foi, por isso, usado com uma simbologia principal: incentivar as pessoas a aderir à vacinação em massa para protegermo-nos uns aos outros.

Sobre o pai: "Ele morreu de propósito naquele dia para me passar o testemunho"

Henrique Gouveia e Melo tem pai de dois filhos, um engenheiro informático e outro médico, que esteve também na linha da frente de combate à pandemia. "O meu filho disse-me uma vez uma frase que me deixou comovido na altura: 'Estamos a combater na mesma guerra'", lembrou o vice-almirante.

O militar recordou o pai, que era advogado. "Sofreu muito" com um cancro e morreu no dia em que o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo completou 21 anos. "Acho que ele morreu de propósito naquele dia para me passar o testemunho", disse. Ao recordar esse dia na entrevista com Daniel Oliveira, o militar não conseguiu esconder a emoção.

"Eu estava com ele no dia em que ele morreu", continuou. Na altura era cadete na Escola Naval e pediu para ser dispensado alguns dias para estar presente nos últimos momentos de vida do pai, que era para si um exemplo.

"O meu pai era um português, um verdadeiro português, tinha orgulho em ser português e transmitia-me isso. E eu tenho orgulho em ser português", referiu o vice-almirante. "Acho que ele tinha-me em grande respeito e achava que poderia fazer qualquer coisa de útil pela sociedade".

O que fica do combate à pandemia

A missão do vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, que começou em fevereiro, terminou de forma bem-sucedida a setembro de 2021 (conseguiu colocar Portugal entre os países europeus com a mais alta taxa de vacinação) , mas sabe que ficará para sempre na memória de todos.

Quando questionado por Daniel Oliveira sobre como gostaria que fosse recordado pelos descendentes, o vice-almirante respondeu de forma humilde. "Gostaria que se dissesse que houve um País que se vacinou a ele próprio e que nesse País estava um homem que também ajudou a esse processo", disse.

Sobre o futuro, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, referiu que está preparado para novas missões. "Sou militar. Se for entendimento de que ainda tenho alguma coisa para dar, estarei disponível. Se houver esse entendimento, tenho sonhos de transformação e de dar o meu contributo para essa transformação. Se não for esse o caminho, hei-de encontrar um outro em que hei-de ter novos sonhos e encontrar novas formas de me realizar. Porque ninguém é insubstituível e não há só uma única missão para um ser humano", rematou.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.