Italianos há muitos. Como o Libertà Kitchen, um dos mais recentes restaurantes focados na cozinha italiana a nascer em Lisboa, nem por isso. O espaço, que abriu nos primeiros meses de 2022 em soft-opening, tendo apenas todas as suas valências a funcionar a 100% (sala interior e esplanadas) no passado mês de agosto, combina a sofisticação de um espaço cosmopolita com a cozinha fiel às origens italianas, em pratos que são um equilíbrio com nota perfeita entre tradição, sabor e sofisticação — ou não estivesse aos comandos da cozinha um chef estrelado, como é o caso de Sílvio Armanni, que veio liderar o Libertà Kitchen depois de estar à frente do Octavium, em Hong Kong, onde ganhou uma estrela Michelin.

Tokkotai. Novo asiático do Porto tem umas vieiras inacreditáveis que passavam no teste de Gordon Ramsay
Tokkotai. Novo asiático do Porto tem umas vieiras inacreditáveis que passavam no teste de Gordon Ramsay
Ver artigo

Mas voltando à Rua Rodrigues Sampaio, nas imediações da Avenida da Liberdade, o Libertà Kitchen surpreende logo pelos recantos da sala, onde pode escolher uma mesa junto à grande janela e bem perto do bar, ou outras mais acolhedoras com vista limpa para a cozinha aberta. Ah, e sem esquecer o tecto decorado cuidadosamente com centenas de espigas, ali colocadas manualmente, e uma a uma (haja paciência, mas dá realmente um toque especial ao restaurante).

Chef Sílvio Armanni
créditos: ICM

Depois de muito bem recebidos com um dos cocktails assinatura da casa, o Libertà Mule (10€), uma reinterpretação do clássico Moscow Mule, resolvemos deixar tudo nas mãos do chef e ser surpreendidos com as suas escolhas.

Azeitonas sicilianas e massa caseira que nos faz sentir em Itália

Após provarmos umas das melhores azeitonas verdes da vida (neste caso, sicilianas), que chegam junto do couvert (4€), composto por pão alentejano, taralli de funcho e azeite toscano, damos como aberta a refeição com duas entradas bem frescas: o tartare di manzo (17€), bife tártaro com queijo straciatella, tomate seco, avelãs, vinagre balsâmico e pão sírio da Sardenha, e um crudo di ricciola (18,50€), lírio cru marinado com salada de funcho e laranja, acompanhada de molho de mel e laranja.

Libertà Kitchen
A sala interior do restaurante créditos: ICM

Com o toque do queijo de um lado e a frescura do molho de mel e laranja do outro, tivemos de saborear muito para escolher um preferido, e talvez o nosso coração penda um pouco mais para o tártaro pela diferença nos sabores deste clássico prato. O melhor? Pedir os dois e dividir.

Dos frescos para os quentes, provámos duas massas caseiras que acreditamos piamente que podiam ter sido feitas por aquelas avós italianas nas quais nos viciámos a ver cozinhar nas redes sociais. Para quem prefere carne, um dos pratos mais pedidos do Libertà Kitchen: casoncelli alla bergamasco (16,50€), ravioli de carne caseiro, pancetta, sálvia, manteiga marron e parmesão. Louco por peixe? Tem de provar o cavatelli ai frutti di mare (20€), onde o cavatelli caseiro é combinado com camarões, lulas, mexilhões e peixe do dia.

Agora sim, vamos apelar ao empate técnico, dado que tudo funcionou nestas duas propostas, desde o ponto da massa à frescura dos ingredientes (e no caso de peixe e marisco, tal é primordial), sem esquecer o sabor da pancetta e o toque necessário de queijo.

À boa tradição italiana, as massas pertencem à primeira metade da refeição, que deve (e ainda bem) ser rematada com um dito prato principal. Foi assim que provámos uma das mais recentes adições à carta do Libertà Kitchen, o rombo arrosto cotto con l'osso e carciofi alla romana (55€). Não percebe nada de italiano? Nós também não.

Feita a devida tradução, o que nos surge na mesa é um fresquíssimo pregado no forno, cujo brilho do peixe quase que nos cega. A proposta vem acompanhada de alcachofras à Romana e batatas, e finalizada já em frente ao cliente com um guloso molho de manteiga com cebolinho. Peixe no ponto, batatas finalizadas numa fritura saborosa, e um molho que ainda temos presente no palato. Nota 10 em 10.

Para terminar — e sim, sabe Deus como é que conseguimos chegar ao fim com espaço para a sobremesa —, um doce clássico e outro mais fora da caixa. Falamos, claro, do tiramisu "bomba" (9€), e do pistacchio e lamponi (10€), uma opção composta por um parfait de pistáchio, sorvete de baunilha, framboesas e biscoito crocante. E embora a frescura da segunda proposta nos tenha agradado, não desistimos enquanto não limpámos o prato do tiramisu. Neste caso, não se mexe nas ideias clássicas (e acabar um desfile de pratos italianos com esta sobremesa é o cair do pano perfeito para esta refeição).

Há um novo menu para quem gosta de provar um pouco de tudo

O Libertà Kitchen é um sítio com tantas opções deliciosas que acaba por ser sacrilégio só escolher um prato de toda a carta. Mas a equipa pensou em tudo, e para que possa provar várias opções (e ter uma experiência bastante semelhante à que descrevemos), pode optar pelo menu degustação do chef Sílvio Armanni.

No novo restaurante Libertà há milhares de espigas suspensas no teto
Num recanto mais acolhedor, há vista desimpedida para a cozinha aberta. créditos: ICM

Esta proposta inclui coperto (couvert), antipasti (o mais semelhante às nossas entradas), pasta, secondi (prato principal) e dolci (sobremesa), onde pode deixar-se nas mãos do chef — sendo que deve informar a equipa do restaurante de eventuais intolerâncias alimentares.

O novo menu tem um valor de 45€ por pessoa, sem bebidas incluídas.

Morada: Rua Rodrigues Sampaio 39, Lisboa
Telefone: 969 000 653
Horário: 12h30-23h (fecha ao domingo e segunda-feira)

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.