A 1 de agosto de 2021 assinava-se o contrato da nova morada do Mankooche, com vinho a rigor: o libanês Nabidh Portugal. O nome manteve-se o mesmo do conceito anterior, uma padaria focada em manakish (pizzas tradicionais libanesas) que funcionava em Picoas desde agosto de 2020. Precisamente um ano depois, a padaria não desapareceu, apenas se juntou ao agora restaurante libanês que acaba de instalar-se no Cais do Sodré, em Lisboa.

"A razão pela qual mudámos é porque quando abrimos [a padaria] queríamos focar-nos no conceito de street food e não tivemos espaço para realmente ter um espaço para cozinhar todas as coisas que estamos a oferecer agora", conta Marianne Zammaria à MAGG. Já se pode prever que a carta é agora mais completa, ainda assim bastante simples. "Alguns restaurantes têm um menu muito extenso e nós tentámos ser o mais concisos possível. Temos muitas escolhas, mas quando olha para o menu não se sente perdido", explica.

Abriu a primeira padaria libanesa, com pizzas de za'atar e falafel e doces surpreendentes
Abriu a primeira padaria libanesa, com pizzas de za'atar e falafel e doces surpreendentes
Ver artigo

A ideia é facilitar a vida aos indecisos e agradar a todos os estilos de alimentação. A própria gastronomia libanesa tem múltiplas opções para vegetarianos e vegan e se estes se juntarem à mesa com amigos que comam carne, o menu vai ter propostas tentadoras para todos em pratos compostos ou género de tapas frias e quentes, chamadas mezze. "É tão bom para pessoas que comem carne como para as que não comem. Grande parte da comida libanesa, por si só, é vegetariana ou vegan, seja se estivermos a falar da pasta mutabal [feita com beringela assada], do húmus, das saladas, ou do mezze quente, como o falafel e a batata harra [batatas aos cubos com molho picante]", enumera Marianne.

Tudo é confecionado na cozinha aberta do novo restaurante de "cozinha libanesa acessível a todos" por uma chef brasileira, Sine, que já passou por vários restaurantes de comida libanesa. Contudo, as receitas resultam de uma fusão entre a experiência de Sine e as origens de Marianne Zammaria que dá o seu ponto de vista (e paladar apurado) para o que é servido no restaurante.

Apesar de a carta não ser extensa, há três pratos que não pode deixar de provar numa visita ao novo Mankooche. Uma salada, entre a fattoush e a tabule, o mutabal nas tapas frias e o kebbeh (feito tradicionalmente com bulgur e carne) nas quentes — são estas as sugestões da responsável do restaurante. Não há como fugir às sobremesas, por isso, tem de guardar espaço para o mohalabiyyeh, pudim de leite com água de flor de laranjeira, e para a famosa baclava, um pastel com pasta de nozes.

Um pouco de tudo isto está no menu de degustação do Mankooche, servido pontualmente, mediante reserva, para garantir que não há imprevistos na viagem com escalas pelo Médio Oriente. As saladas estão garantidas, seguem-se as opções do mezze frio, as do quente, entre o mix de carne grelhada ou prato de falafel, e, para finalizar, um mohalabiyyeh. A acompanhar, sharab el wared (bebida de água de rosas). O menu custa 20€ e é para partilhar.

Menu de degustação do Mankooche
Menu de degustação do Mankooche créditos: instagram

O Mankooche deixou de ser padaria para tornar-se num restaurante de ambiente casual "longe da poluição sonora e do stress diário", com decoração moderna e a cozinha do Líbano à vista de todos. Depois de uns dias encerrados, o restaurante está de volta já esta terça-feira, 7 de agosto, ao jantar.

Mankooche

Localização: Tv. do Carvalho 27 Loja 14, 1200-148 Lisboa
Reservas: (+351) 210 739 875
Horário: de terça-feira a sábado das 12h às 15h e das 18h às 22h
Plataformas: Instagram e Zomato 

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.