Chegar a sexta-feira à noite e jantar fora num restaurante com comida deliciosa, cocktails exuberantes e uma atmosfera sofisticada é bom. Fazer tudo isto em Paris é ainda melhor. Foi justamente com esta premissa que a MAGG viajou até à capital francesa para conhecer o novo Yakuza Paris, o mais recente espaço do cozinheiro e empresário Olivier da Costa, que depois de espaços internacionais como o Seen São Paulo, no Brasil, ou o Seen Banguecoque, na Tailândia, começa agora a expansão do conceito Yakuza fora de Portugal — depois de, em abril deste ano, dar o mote ao novo capítulo dos espaços focados na gastronomia japonesa com a inauguração do novo Yakuza Lisboa, que deixou o Príncipe Real e regressou à Avenida da Liberdade.

Yakuza Lisboa. O sushi fantástico de Olivier muda-se para a Avenida — e abre já esta segunda-feira
Yakuza Lisboa. O sushi fantástico de Olivier muda-se para a Avenida — e abre já esta segunda-feira
Ver artigo

Ir de propósito a Paris apenas e só para jantar fora pode parecer um exagero apenas para quem não está habituado à forma de viver de Olivier da Costa. Tal e qual como recebe — e faz questão que todas as as suas equipas façam o mesmo — os clientes nos seus restaurantes, com doses generosas e sorrisos abertos, o empresário e cozinheiro fez o mesmo com o grupo restrito de jornalistas convidado para conhecer o novo Yakuza Paris. E, meus amigos, posso dizer-vos que esta viagem express a França foi quase como um regressar a tempos sem contenções, onde a COVID-19 só se sente pelo certificado digital necessário para quase tudo e alguma coisa.

Houve sushi, mais champanhe do que um fígado deveria aguentar em 24 horas, hotéis deslumbrantes, passeios por Paris e — choque — idas a discotecas. Vim da capital francesa de estômago cheio com as iguarias de Olivier e de alma lavada com as experiências que tive oportunidade de usufruir. Ah, e sem COVID-19, que já fiz o teste para garantir. Podemos todos respirar de alívio.

Yakuza Paris
O restaurante de Paris aposta em tons mais claros.

Assim que aterrámos em Paris, fomos diretamente para o Fouquet's, um luxuoso restaurante nos Campos Elísios, uma das mais famosas avenidas da cidade. E foi justamente aí que fomos recebidos por Olivier, que fez questão de organizar um almoço "sem pobrezas", como o próprio referiu, e sem sushi — já que a noite prometia.

Foi numa mesa cheia de raia, linguados, tártaros de novilho e escargots (o equivalente a caracoletas em Portugal) que Olivier falou (pouco) dos seus planos para o futuro. Em Lisboa, podemos esperar uma abertura em grande até ao final de 2021 num local emblemático para os lisboetas — para os que gostam de comida, pelo menos —, e que não será um novo espaço dos já implementados conceitos. A curiosidade é muita, mas vamos ter de esperar.

Olivier
Olivier da Costa escolheu Paris para a primeira internacionalização do conceito Yakuza. créditos: Instagram

Já no que diz respeito à internacionalização do grupo, o segredo continua a ser a alma do negócio, e nem o saboroso champanhe francês servido sem grandes limitações foi suficiente para persuadir Olivier a contar-nos mais. Mas com a abertura de Paris no deslumbrante Maison Albar Hotels Le Vendome, o segundo Yakuza a abrir em unidades hoteleiras deste grupo —o Yakuza Porto fica no Le Monumental, na Avenida dos Aliados —, será que vamos ver a parceria de sucesso replicada nos hotéis de Nice e Chamounix? Veremos.

O sushi do Yakuza continua fabuloso, seja em Lisboa, no Porto ou em Paris

Mas vamos (finalmente) ao que mais interessa: o Yakuza Paris. Localizado no Maison Albar Hotels Le Vendome, uma unidade hoteleira de luxo no centro da cidade, bem perto das famosas Galerias Lafayette, o novo restaurante de Olivier da Costa — e o primeiro em solo francês — é uma viagem de sabores inesquecível, onde tudo é pensado ao detalhe e não há espaço para o erro.

E podemos estar em França, mas o português continua a ser a língua mais ouvida. Isto porque, para garantir que o staff do restaurante aprende tudo com os melhores, Olivier trouxe muitos elementos das equipas dos restaurantes portugueses para dar formação aos novos empregados. E esta atenção ao detalhe fez com que, ao segundo dia de abertura oficial, nada fizesse parecer que a máquina não estava bem oleada.

Yakuza
Há gunkans para todos os gostos. créditos: FRANCOIS LE PRAT

O restaurante de Paris marca a diferença dos espaços em Lisboa e no Porto logo pelas cores, ao usar o branco e o azul, tornando-se um restaurante mais claro do que os seus antecessores, mesmo à noite. É também o menor, mas tal faz com que o espaço de Paris seja super acolhedor, onde não falta o samurai para nos dar as boas vindas.

Depois de um Moscow Mule feito na perfeição — ou atrás do bar não estivesse um dos principais barmen do Seen Lisboa aquando da nossa visita —, provámos tudo o que havia para provar (ou perto disso). Se é fã dos espaços de Lisboa e Porto, saiba que em Paris vai encontrar uma carta algo semelhante, com pequenos detalhes a marcar a diferença dos restaurantes nacionais. Mas, regra geral, todos os best-sellers de Olivier figuram na carta.

De Portugal para França. O sushi do Yakuza está a caminho de Paris
De Portugal para França. O sushi do Yakuza está a caminho de Paris
Ver artigo

Exemplo disso são os famosos takos sakana (18€ a unidade), um taco de peixe e guacamole, os springs rolls de lavagante (49€), uma reinvenção da salada de lavagante, o new style hamachi (31€), uma espécie de sashimi de yellowtail com molho ponzu trufado ou o tártaro de toro (65€).

Yakuza
Os niguiris de toro são deliciosos.

Perdemos a conta aos fabulosos gunkans que nos chegaram à mesa, desde os roi (21€), com salmão, caranguejo real e ovo de codorniz, aos de toro (23€), com a magnífica barriga de atum. Tivemos de agarrar os niguiris de salmão e trufa (18€), bem como o saboroso sashimi de toro (24€).

Sobremesa? Voltamos aos clássicos, com o Kit Kat Sucesso Garantido (17€), uma mousse de chocolate com verdadeiros pedaços do icónico chocolate, uma sobremesa que nos conquistou desde que a provámos em Lisboa.

Yakuza
O restaurante abriu oficialmente a 9 de setembro.

E se precisarem de provas de que Olivier sabe receber, todo o jantar foi regado com o mesmíssimo champanhe que tanto sucesso fez ao almoço — Joseph Perrier Cuvée Royale (16€ taça/95€ garrafa). O número de garrafas para a mesa? Preferimos não revelar.

Vá a Paris jantar e aproveite para ficar o fim de semana

Se nos quiser seguir o exemplo e visitar o novo Yakuza Paris para jantar, tem mesmo de conhecer o hotel que alberga o restaurante de Olivier. O Le Vendome Maison Albar Hotels é uma fabulosa unidade hoteleira de cinco estrelas, com quartos decorados ao detalhe, espelhos gigantes para apreciar o look e o melhor duche que já conheci — tinha um banco, meus amigos, um banco dentro do espaçoso chuveiro, onde se pode relaxar enquanto a boca de duche XXL nos acorda para a vida.

Le Vendome
Só queremos voltar para este quarto maravilhoso. créditos: Instagram

As camas são super confortáveis, as almofadas só as queria trazer para casa, e o que dizer da vista da varanda para o pátio interior, com uma pitoresca esplanada onde pode tomar o pequeno-almoço (também servido no espaço do Yakuza Paris). Ainda em setembro, os preços começam nos 409€ por noite em quarto duplo deluxe. Já os voos, também em setembro, começam nos 64€ através da Ryanair.

Passámos o dia no Clássico by Olivier. E só aquele linguado para nos tirar da cama balinesa
Passámos o dia no Clássico by Olivier. E só aquele linguado para nos tirar da cama balinesa
Ver artigo

Para aguçar a vontade de uma visita a Paris, saiba que, apesar do certificado digital ser exigido para quase tudo a qualquer dia da semana, a partir do momento em que o mostra à porta dos estabelecimentos, a máscara pode ser dispensável, não tendo a obrigatoriedade de a usar em espaços comuns de hotéis como o Le Vendome ou em discotecas.

Sim, leu bem, discotecas. Os espaços de diversão noturna já estão abertos sem limitações (só tem de mostrar o certificado à porta), e pode dançar à vontade. E foi justamente aí que terminou a nossa aventura em Paris — mais precisamente no clube Boum Boum — com o champanhe a continuar a ser servido enquanto a dança ajudava à digestão do jantar. É que ir a Paris com Olivier da Costa é "sem pobrezas".

Morada: 7 Rue du Helder, Maison Albar Hotels Le Vendome, Paris, França
Telefone: 0033 1874 43888
Horário: aberto todos os dias, a partir das 19h

Pode reservar online

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.