Há mais um documentário sobre o desaparecimento de Madeleine McCann para ver na televisão portuguesa. O caso tem mais de 14 anos, mas ainda não há desfecho à vista. Nesta nova produção, o foco incidirá não só no desaparecimento da criança, em maio de 2007, mas também naquele que será o principal suspeito de ter raptado Maddie — o alemão Christian Brückner, 43 anos, preso na Alemanha por crimes de violação e tráfico de droga.

"Prime Suspect: The Madeleine McCann Case", assim se chama o documentário, vai estrear-se já este domingo, 5 de setembro, no Investigation Discovery, o canal dedicado a conteúdos de crime real e que é um exclusivo da NOS.

Ao longo dos três episódios que compõem o documentário, são descobertas e discutidas novas pistas que mostram como é que Christian Brückner se tornou no principal suspeito de ter raptado Maddie na Praia da Luz, em Lagos.

Alemão suspeito de matar Maddie investigado por violação, abusos de crianças e agressão sexual
Alemão suspeito de matar Maddie investigado por violação, abusos de crianças e agressão sexual
Ver artigo

Enquanto no primeiro episódio o documentário, que conta com várias entrevistas a investigadores e até jornalistas (como é o caso de Sandra Felgueiras), faz por mostrar a forma como se chegou ao suspeito, os seguintes mostram como Brückner viveu uma vida de crime — estando associado a crimes relacionados com tráfico de drogas, produção de pornografia infantil e até suspeitas de homicídio.

À medida que a produção avança, o documentário mostra também como é que, em Portugal, as investigações levadas a cabo pelas autoridades portuguesas se foram desmoronando, levando, por exemplo, o investigador Gonçalo Amaral a ser afastado do caso.

"Prime Suspect: The Madeleine McCann Case" vai estrear-se no canal Investigation Discovery, disponível na posição 74 da NOS, a partir das 22 horas.

Em 2019, a Netflix lançou o documentário “The Disappearance of Madeleine McCann”, que não contou com a participação de Kate e Gerry McCann, os pais, e que sugere que Maddie pode ter sido levada por uma rede de tráfico de crianças.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.