Ainda que não seja recente, "As Telefonistas" continua a passar despercebida num catálogo da Netflix repleto de demasiada coisa para ver. A série espanhola, composta por um total de cinco temporadas, acompanha a história de quatro mulheres responsáveis por pôr a funcionar aquela que ficou conhecida como a primeira empresa nacional de telefones de Madrid, em Espanha.

"Special". A série bonita da Netflix sobre um jovem gay e com paralisia cerebral
"Special". A série bonita da Netflix sobre um jovem gay e com paralisia cerebral
Ver artigo

Com a ação a decorrer ao longo dos anos 20, a série apresenta alguns pontos de proximidade com a atualidade do século XXI. É que embora todas estas mulheres assumam estar a viver o sonho de ter um emprego que sempre quiseram conquistar, as suas vidas são bem mais complexas do que aquilo que se poderia imaginar.

Inseridas num meio, e, principalmente, num contexto tipicamente conservador e masculino, "As Telefonistas" dá corpo aos vários esforços e dilemas com que se estas (mas, na verdade, todas as mulheres) se veem confrontadas sempre que querem fazer-se ouvir ou ser levadas a sério — quer em contexto pessoal ou profissional.

Composta por cinco temporadas, em que a última se estreou em 2020 na Netflix, a série aposta no drama e numa estética fiel ao ambiente de época deste tipo de produções para fazer o espectador viajar 100 anos no tempo.

O elenco, o guarda-roupa e a maquilhagem ajudam, claro, a que todo aquele ambiente seja verosímil do início ao fim, fazendo da série uma das mais subvalorizadas da plataforma de streaming.

Do elenco fazem parte nomes como Blanca Suárez, Yon González, Ana Fernández, Nadia de Santiago, Ana Polvorosa, Nico Romero, Martiño Rivas e Concha Velasco.

 

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.