A canção vencedora da mais recente edição da Eurovisão, "Zitti e Buoni", dos italianos Måneskin, está a ser acusada de plágio por Joris Lissens, vocalista e líder de um grupo holandês chamado The Vendettas. A dúvida foi lançada esta semana pelo próprio, em entrevista à RTL 4, um canal de televisão privado dos Países Baixos, segundo escreve a ABC.

Nessa mesma entrevista, Lissens terá assegurado de que a canção italiana "soa igual" à canção dos The Vendettas, que foi gravada e lançada em meados de 1994. "A pergunta que deve ser feita agora é se isto constitui plágio", terá dito, segundo cita a mesma publicação.

Do dedo do meio da Alemanha à atuação dos The Black Mamba. 6 momentos marcantes da final da Eurovisão
Do dedo do meio da Alemanha à atuação dos The Black Mamba. 6 momentos marcantes da final da Eurovisão
Ver artigo

"Naturalmente, estes jovens ainda não eram nascidos na altura em que a nossa banda foi criada. Mas como dizem os próprios Måneskin, o rock 'n roll nunca morre", continua.

À data da publicação deste artigo, o grupo italiano ainda não reagiu às acusações de plágio, numa altura em que a vitória na Eurovisão se fez acompanhar de uma primeira polémica relacionada com um alegado consumo de drogas em direto.

Pode ouvir a canção dos Måneskin abaixo, juntamente com a dos The Vendettas.

Antes da acusação de plágio, a de consumo de drogas em direto

Na final da Eurovisão, que ocorreu a 22 de maio, a Itália ainda não se tinha sagrado vencedora do evento quando as imagens mostraram o vocalista Damiano David inclinado sobre uma mesa num gesto sugestivo de alegado consumo de drogas. O momento tornou-se viral, principalmente no Twitter, e não se falou de (quase) mais nada durante o resto da noite.

No drugs, just rock 'n roll. Vocalista dos Måneskin testa negativo ao consumo de cocaína
No drugs, just rock 'n roll. Vocalista dos Måneskin testa negativo ao consumo de cocaína
Ver artigo

Devido à intensidade com que o vídeo foi partilhado, a União Europeia de Radiodifusão (EBU) disse que iria analisar as imagens, e que o vocalista iria fazer um teste de drogas na chegada à Itália. A EBU acrescentou ainda que o teste foi pedido na noite da final, mas que, por fatores externos, "não pôde ser concretizado".

O desfecho da polémica seria conhecido a 24 de maio com o anúncio de um teste, voluntário, negativo. "Não houve consumo de drogas na green room e consideramos este assunto encerrado. Estamos alarmados pela especulação incorreta que conduziu a notícias falsas, o que ensombrou o espírito do evento e afetou de forma injusta a banda", explicou a organização do evento.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.