Esta sexta-feira, 8 de junho, é considerado o Dia dos Melhores Amigos. De certo já teve um (ou muitos) na adolescência e, se calhar, é o mesmo (ou são os mesmos) dos dias de hoje. A verdade é que os amigos fazem parte da vida e são tão importantes como a família. Quando está feliz é com eles que celebra e quando está triste também são eles que o ajudam a superar os desgostos.

São pessoas que não se pensa que se pode perder. Infelizmente, por vezes, a vida leva-os por caminhos diferentes. O que acontece quando se perde uma grande amizade, daquelas que era suposto ser para a vida? A psicóloga Rosa Amaral, da Clínica Europa, explicou à MAGG quais são as consequências emocionais desta separação e como a superar.

Essa amizade é importante porque eles são as pessoas que nos acarinham, que nos acompanham ao longo da vida e que nos permitem, através da sua presença na nossa vida, termos uma rede de apoio, quem nos oiça e quem nos ajude e dê afeto. É uma relação de uma troca muito intensa"

A psicóloga começa por explicar que, com os amigos é possível ter um tipo de amor e de afeto que acaba por ser especial e diferente do familiar, pois é "um amor ‘escolhido’": "É um amor quase que incondicional, o que é uma coisa interessante nas amizades. Nós acabamos por ir escolhendo os amigos por nos sentirmos bem com eles mas, com o tempo, se a amizade for realmente verdadeira, estabelece-se uma relação em que quase tudo é aceite e estamos lá sempre prontos a ajudar, tal como eles também estão para nós".

Rosa Amaral explica que as relações de amizade são diferentes das relações amorosas, pois é um tipo de amor "brutal" por ser característico dos amigos "dizer umas verdades e continuar lá ao lado", independentemente da asneira que a pessoa fez ou do defeito que tem.

"Essa amizade é importante porque eles são as pessoas que nos acarinham, que nos acompanham ao longo da vida e que nos permitem, através da sua presença na nossa vida, termos uma rede de apoio, quem nos oiça e quem nos ajude e dê afeto. É uma relação de uma troca muito intensa", explica, acrescentando que este é um amor muito único.

A perda de uma grande amizade pode provocar uma depressão

Por todas estas razões, quando uma relação de grande amizade acaba, a perda de uma pessoa tão próxima é muito dolorosa "exatamente porque aquela pessoa é, muitas vezes, aquela para quem não se tem segredos". Ao contrário do que acontece em algumas relações amorosas, em que as pessoas continuam a ter "um bocadinho de um cantinho seu, mais secreto, que não partilham na totalidade", com as amizades isso não existe: "Daquela pessoa nós esperamos tudo, mas não esperamos a separação".

A quebra deste tipo de relações pode provocar uma sensação de traição, de desilusão, de  revolta e toda uma série de sentimentos muito profundos, pois é "como se não houvesse a expetativa que aquela pessoa pudesse ser perdida da sua vida".

Foi o que aconteceu a Adriana Peitaço, 21 anos, quando perdeu a relação que tinha com a melhor amiga por causa de um rapaz: “Nós éramos amigas há 18 anos, desde que nascemos praticamente. Vivíamos perto uma da outra e, por isso, nem consigo contabilizar bem o tempo que passávamos juntas e todas as horas de conversa. Não tínhamos segredos entre nós". Mesmo não gostando do namorado da amiga, por situações passadas, aceitava a sua presença para que pudesse estar com ela.

Histórias. Quando as amizades não resistem ao nascimento de um filho
Histórias. Quando as amizades não resistem ao nascimento de um filho
Ver artigo

Mas, com o passar do tempo, as coisas foram mudando: "Ela deixou de querer estar comigo e só me falava quando eles estavam mal. O tempo foi passando e eles já namoravam há mais de um ano quando foi o meu aniversário (evento ao qual ela faltou avisando à última hora). Mais tarde, nessa mesma noite, encontrei-a numa festa, mas ela não me falou".

Depois de uns meses sem falarem, Adriana não conseguiu mais ignorar o que se estava a passar. "Fui falar com ela para lhe perguntar o que ela sentia em relação ao nosso afastamento brusco, e ela só disse que não tinha feito nada assim tão grave para que eu não falasse com ela. Discutimos e afastamo-nos de vez". No entanto, a reaproximação aconteceu quando o namorado acabou com a amiga e as coisas pareciam estar a melhorar. Até que, pela segunda vez, ela desmarcou coisas que tinham combinado juntas, em cima da hora, sem motivo aparente. A partir daí nada voltou a ser igual.

É um processo difícil, que magoa, e acarreta um grande sofrimento. É um vazio emocional que põe tudo em causa".

Algumas das consequências a nível emocional, com este tipo de perda podem ser o ceticismo em relação às relações, a vontade de criar um afastamento emocional das outras pessoas, a falta de confiança nos outros amigos, o medo de perder as pessoas que mais gosta e a sensação que, afinal, as relações não são aquilo em que acreditava.

Rosa Amaral explica que, quando acontecem situações em que há uma perda profunda de uma coisa em que a pessoa confiava na totalidade, cria-se um ceticismo perante a vida, no sentido de olhar a vida com um olhar cru. "É como se pensasse: 'Se eu não posso confiar nesta relação então em que é que eu vou poder confiar?'. A pessoa pode ficar um pouco mais amarga, pode deprimir, pode, durante algum tempo, afastar os seus hábitos sociais e afastar-se dos outros amigos."

O luto é uma fase complicada e que se pode prolongar durante anos. A psicóloga afirma que é necessário fazer um "luto vivo": "Eu sei que aquela pessoa está viva, eu sei que perdi aquela pessoa e vou fazer coisas normais onde aquela pessoa normalmente estava presente. É um processo difícil, que magoa, e acarreta um grande sofrimento. É um vazio emocional que põe tudo em causa. Há pessoas que com 50 ou 60 anos são capazes de falar daquele amigo que perderam (por uma zanga) há 20 anos e que às vezes se perguntam como estarão na vida. É um processo que não fica encerrado de uma forma fácil".

O tempo e o suporte dos amigos ajudam a superar a perda

Para Adriana "foi muito complicado lidar com tudo", uma vez que vivia perto da amiga e frequentavam os mesmos sítios. Hoje em dia, quando passam uma pela outra na rua, não dizem mais do que um "olá". Para superar esta perda, a mãe e o namorado foram o grande apoio: "A minha mãe chegou a falar com familiares da minha amiga para saber se ela estava bem e se não queria falar comigo. E o meu namorado foi sem dúvida uma pessoa que me distraiu e quase que me proibiu de tentar falar com ela, para ela assumir o erro e não ser eu a ir atrás de algo já estragado".

Já Rita, nome fictício porque prefere ficar no anonimato, 23 anos, preferiu cortar definitivamente o relacionamento com a ex-melhor amiga: quando esta acabou a relação amorosa que mantinha com o irmão de Rita, continuaram amigas, mas as coisas não correram bem. Ela "só metia veneno", dizendo-lhe que o irmão era má pessoa: "Eu comecei a suspeitar e a achar estranho, porque sabia que o meu irmão não era aquele tipo que ela estava a descrever. Depois vim a descobrir que, na verdade, ela é que o tinha traído com um colega de trabalho. Quando a fui confrontar, ela em vez de se defender, começou a ofender-me e à minha família".

Desde aí que nunca mais a quis voltar a ver: "Já se passaram três anos e não tenho uma amizade tão forte como era aquela (ou pensava que era). Só quero que ela seja feliz bem longe de mim. Ela ainda me segue e eu deixei de a seguir em redes sociais, não quero mesmo mais nada com alguém tão falso". Mesmo sabendo que a amizade não era verdadeira o suficiente, foi difícil para Rita seguir em frente: "A verdade é que, de início, foi muito difícil e custou-me imenso. Ela era a minha melhor amiga, tudo de bom e de mau que me acontecia só queria mesmo ter ali alguém a quem poder ligar, fosse para falar de coisas importantes ou só mesmo de coisas sem interesse. Fez-me imensa falta ter uma amiga para tudo".

Segundo a psicóloga, o tempo ajuda, mesmo que as pessoas não gostem de ouvir este conselho. É com ele que vai percebendo que, se calhar, tudo aconteceu por determinadas razões e vai tentando encontrar, a nível da razão, perceber melhor a perda, tornando-se mais fácil a sua superação. Alguns dos truques que o pode ajudar são, " em primeiro lugar tentar perceber por que é que a rutura aconteceu, e pensar numa razão racional na qual a pessoa consiga agarrar-se para apoiar o desapego do lado emocional, como por exemplo, que a razão pela qual se zangaram ser muito válida".

O conselho de Rosa Amaral é usar a razão para tentar perceber um pouco a situação e, com isso, conseguir uma certa distância emocional. Também tentar não alterar, de uma forma radical, a vida e não permitir a si próprio refugiar-se em ideias demasiado más. Deve acreditar que, "embora aquilo tenha acontecido com aquela amizade não quer dizer que aconteça com todas as outras". Manter a  confiança nas outras relações e apoiar-se nos amigos tentando, acima de tudo, manter rotinas e "entregue à vida".

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.