É provável que durante um breve scroll pelo Facebook se tenha deparado com notícias que dizem que está para breve a implementação de uma nova legislação imposta pela União Europeia para obrigar a Apple a substituir todos os cabos de carregamento para iPhone. O objetivo? Criar um cabo único que seja utilizado por todos os grandes fabricantes de telemóveis, sejam eles Android ou iPhone.

Mas pode respirar de alívio. O mais certo é não ter gastar dinheiro em comprar cabos novos para o iPhone porque, na verdade, a legislação aplica-se apenas aos adaptadores de corrente e não aos cabos do tipo Lightning que são usados desde a apresentação do iPhone 5, em 2012.

Segundo a revista digital "The Verge", especializada em tecnologia, as novas diretrizes propostas pela União Europeia têm como objetivo fazer com o que os fabricantes de smartphones adotem apenas uma norma no fabrico dos seus adaptadores de corrente.

A nova funcionalidade que vai fazer a bateria do seu iPhone durar mais tempo
A nova funcionalidade que vai fazer a bateria do seu iPhone durar mais tempo
Ver artigo

Por isso mesmo, e porque os vários equipamentos da Apple já oferecem adaptadores de corrente de Lightning para USB-C, como é o caso do iPhone 11, por exemplo, este não é o problema que vá afetar a empresa e quem já tem vários cabos Lightning espalhados pela casa.

No entanto, esta proposta não é nova e a questão já tinha sido levantada em meados de 2009 quando, na altura, existam quase 30 tipos de carregadores diferentes usados pelos vários fabricante. Atualmente, esse valor desceu para apenas três — sendo eles o Lightning, o USB e o USB-C.

E mais: tendo em conta que a Apple já oferece entradas do tipo USB-C no transformado dos seus equipamentos, como é o caso dos novos MacBook, MacBook Air e MacBook Pro, isto significa que a Apple, muito provavelmente, já está em concordância com aquela que será a nova legislação da União Europeia caso venha a ser aprovada.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.