Estamos cada vez mais viciados em histórias de crime reais? Sem pensar muito, a resposta pode pender para um "sim" assertivo. Mas diz quem sabe que a tendência não é nova e que já em meados de 1900 os jornais da época enchiam as suas capas com histórias de crimes porque as pessoas tinham interesse em acompanhar as investigações.

"Que ideia é essa de que o crime está na moda? A realidade, sim, está na moda", explicou o jornalista e psicólogo forense Hernâni Carvalho em entrevista à MAGG. E essa realidade continua a ser muito apetecível de explorar pela Netflix. Prova disso é a mais recente produção da plataforma que olha para casos de desaparecimentos misteriosos ou de crimes bizarros que, além de serem totalmente reais, estão há várias décadas a ser investigados.

Chama-se "Unsolved Mysteries", é um dos conteúdos mais vistos em Portugal e é a mais recente aposta do serviço de streaming numa altura em que documentários como "Tiger King", "Making a Murderer" ou "Génio do Mal", foram muito bem recebidos pelos subscritores da empresa.

Apesar de tudo, a série não é nova. Trata-se de um reboot da versão original, de 1987, mas que mantém a mesma premissa: dar a conhecer, a cada episódio, um caso novo e que continua por resolver tantos anos depois. Mas porque a televisão tem esse poder, enquanto a série original esteve em emissão — entre 1987 e 1997 — foram vários os espectadores que contactaram as autoridades com novos detalhes que pudessem ajudar a polícia a dar continuidade às investigações muitas vezes paradas por falta de provas ou de recursos.

O reboot da Netflix, sabe-se agora, já produziu o mesmo efeito com o FBI, que recebeu pelo menos 20 pistas credíveis nas primeiras 24 horas após a estreia de "Unsolved Mysteries", a 1 de julho.  Essas pistas dizem respeito às investigações do homicídio de Alonzo Brooks ocorrido a 3 de abril de 2004, durante uma festa com cerca de 100 pessoas, e que é abordado no quarto episódio da temporada. Sobre o caso, sabe-se pouco.

Estamos cada vez mais viciados em documentários sobre crimes reais?
Estamos cada vez mais viciados em documentários sobre crimes reais?
Ver artigo

Mas algumas das testemunhas que estiveram presentes na festa recordam-se de ver Brooks, um homem negro de 23 anos, a sair da casa a meio da noite e sozinho. Os amigos que o tinham trazido para a festa saíram antes dele, o que significa que o jovem não tinha boleia para regressar a casa — à qual nunca chegou.

Por isso mesmo, o alerta foi dado pela família que estranhou não o ver em casa na manhã seguinte. No mesmo dia, família e amigos de Brooks juntaram-se para procurar o jovem que só foi encontrado, já sem vida, um mês depois.

Devido ao tempo que passou entre o desaparecimento e a descoberta do corpo, as autoridades foram incapazes de determinar a causa da morte. O resultado da autópsia foi inconclusivo e o responsável pela morte de Alonzo Brooks continua sem estar identificado, mas a autoridades têm fortes suspeitas de que se terá tratado de um crime de ódio racial.

"A ideia de que a morte de Alonzo se tratou de um suicídio ou que, de alguma forma, ele caiu de forma acidental num riacho enquanto deixava para trás as suas botas e o seu chapéu [os pertences que Brooks que foram encontrados nas primeiras buscas comandadas pela polícia] sem haver testemunhas de nada desafia a razão", explicou um dos advogados responsáveis pelo caso à NBC em julho.

As declarações surgem um mês depois de as autoridades terem comunicado a recompensa de 100 mil dólares (o equivalente a 88 mil euros) a quem contacte a polícia com qualquer informação credível que possa dar continuidade ao caso. Mas este é só um de muitos que ainda hoje aguardam resposta e que deixaram vítimas — e respetivas famílias — sem a devida justiça.

O primeiro volume de "Unsolved Mysteries", inteiramente disponível na Netflix e perfeito para quem gosta de documentários com crimes bizarros, dá a conhecer os primeiros seis casos através de episódios de uma hora cada.

O segundo volume, com mais seis episódios, deverá estrear-se ainda este ano. No entanto, ainda não é conhecida uma data oficial.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.