"Não acho que a arte vá mudar o mundo, mas pode-nos colocar num lugar mais belo e fazer-nos ver o mundo com outra lente, uma lente mais bonita." Foi este pensamento que levou Bruno Huca, de 37 anos, a inscrever-se no programa de talentos "The Voice Portugal", cuja nona edição foi para ar este domingo, 17 de outubro.

Nasceu e cresceu em Maputo, mas sempre viveu dividido entre Portugal e Moçambique. O pai é algarvio, mas foi viver para Maputo em criança. Já a mãe é moçambicana, mas veio viver para Lisboa com 1 ano. "E eu lá no meio entre o fado e a marrabenta. Mais misturado impossível", conta o artista à MAGG.

O olhar mortal de Marisa, lágrimas e atuações dignas de final. Vimos a estreia do "The Voice"
O olhar mortal de Marisa, lágrimas e atuações dignas de final. Vimos a estreia do "The Voice"
Ver artigo

Depois de ter virado quatro cadeiras e emocionado os jurados, a MAGG quis saber mais sobre o concorrente e aquilo que o motiva a participar num programa que se tem vindo a tornar cada vez mais um palco de causas. Apesar de confessar que nunca tinha sentido vontade de se inscrever, por não se sentir cativado pela parte da competição, confessa que a maturidade fez com que, agora, consiga estar no programa "sem foco no concurso".

"É uma forma de poder transmitir a mais gente uma mensagem que eu carrego: uma mensagem de um lugar de partilha no sentido geral. De mais amor, empatia, pensamento social sobre este lugar onde todos habitamos e de uma evolução para um caminho melhor", diz.

Com uma vida dividida entre Portugal e Moçambique, Huca mudou-se para o País de forma permanente aos 18 anos para ingressar na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, onde se licenciou em Teatro. Ainda assim, revela que continua a manter uma forte ligação com o país africano, expressando uma vontade de que se crie entre os dois países, através da arte, relações "mais fortes que não sejam só aquelas históricas que temos e que ainda estão num terreno nebuloso".

Huca
créditos: RTP

Depois da licenciatura, Huca nunca mais deixou o mundo da representação, tendo já feito parte de várias companhias nacionais das quais destaca o grupo de teatro "Bando" e da "Mala Voadora". Para o concorrente, pisar um palco já não é uma novidade, nem mesmo tratando-se agora de uma competição.

"Acho sempre muito delicado falarmos em competição quando falamos em arte"

Para Huca, a "competição não interessa", mas sim a partilha. "Essa é a parte melhor. Acho sempre muito delicado falarmos em competição quando falamos em arte. O que é que é melhor ou pior? Até os prémios artísticos dos Globos de Ouro, por exemplo, em que se premeia o melhor ator: o que é que define isso? É tão delicado e fino esse lugar", afirma.

Dia Mundial da Arte. Cifrão elege 15 artistas para seguir no Instagram
Dia Mundial da Arte. Cifrão elege 15 artistas para seguir no Instagram
Ver artigo

Apesar de admitir que a hipótese de poder sair vencedor está sempre em cima da mesa quando se entra num concurso destes, diz que não é isso que o move. "É ir fazendo e onde a coisa chegar, chegou. Interessa-me muito, desde que lá entrei, a partilha com aquelas pessoas que ali estão. Há muita gente nova, incrível e maravilhosa, que está num lugar no qual eu já estive e há também gente com mais experiência — e toda a produção que está por trás é incrível", elogia.

Para Huca, o palco é um "um lugar de comunicação", e o "The Voice" um formato que dá a possibilidade de "criar mais do que um programa de televisão e gerar momentos realmente bons, úteis e belos". Depois de ter subido a palco com o tema "Se eu quiser falar com Deus", de Gilberto Gil, Huca deixou Diogo Piçarra, Marisa Liz, Aurea e António Zambujo impressionados, levando Aurea a utilizar o trunfo de bloquear Marisa.

THE VOICE PORTUGAL
créditos: RTP1

Apesar de a vocalista dos Amor Electro ser, à partida, a primeira escolha, o artista confessou ter gostos musicais muito parecidos aos de Aurea, o que fez com que acabasse por a escolher. Questionado sobre o que sentiu quando as quatro cadeiras viraram, Huca fala em gratidão, mas diz que o foco não estava em cantar para os mentores, mas sim para todas as pessoas que ali estavam e que saberia que mais tarde iam ver a atuação em televisão.

"A arte não pode ser só uma bandeira que serve para hastear quando calha bem para a projeção internacional do País"

Como artista, viu, nos últimos 19 meses, a arte ser colocada num lugar de pouca importância para o País e, ainda que não tenha sido uma das pessoas mais afetadas pela pandemia, teve vários colegas à sua volta a passar dificuldades — o fez com que sentisse ainda mais vontade de subir a palco para passar uma mensagem.

Concorrente do "All Together Now" participou na primeira edição do "The Voice Kids"
Concorrente do "All Together Now" participou na primeira edição do "The Voice Kids"
Ver artigo

"Não quer dizer que outras pessoas não tenham sofrido, mas nós sabemos que a arte, infelizmente, está relegada a um lugar muito precário. Somos sempre os últimos dos últimos em que se pensa", lamenta, recordado que "se o trabalho já era precário e frágil, com a pandemia ficou ainda mais".

"Enquanto o País e o estado não perceberem o lugar imenso de importância que a arte tem para evolução de um país, continuaremos, infelizmente, a estar neste lugar terciário (e durante a pandemia não foi fácil). O País precisa de repensar o valor que dá à cultura, a arte não pode ser só uma bandeira que serve para hastear quando calha bem para a projeção internacional do País", alerta.

Para Huca, a arte, quer seja no teatro ou na música, é "muito mais do que a projeção de uma individualidade", e, por isso, decidiu participar no "The Voice Portugal" também para trazer para cima da mesa várias causas. "Quero falar sobre questões sociais e políticas, quero falar de nós enquanto coletivo. Há uma série de bandeiras que quero aproveitar o programa para trazer e elas não precisam de ser hasteadas com um grande punho, mas acho que é preciso falar delas se temos oportunidade", revela à MAGG.

Para isso, a escolha das músicas terá uma enorme importância, confessa. Huca foi um dos concorrentes mais aplaudidos na primeira emissão das Provas Cegas do "The Voice". O concorrente de 37 anos faz parte da equipa de Aurea, juntamente com Matilde Jacob e Mariana Silva.

Veja a prova cega do concorrente.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.