Numa entrevista a Manuel Luís Goucha esta terça-feira, 29 de junho, no programa da tarde da TVI, Hugo Strada falou pela primeira vez sobre as acusações de que foi alvo. Em 2019, o youtuber e agente de vários adolescentes do grupo Team Strada (jovens entre os 17 e os 22 anos que publicavam vídeos no YouTube), foi indiciado de pedofilia e outros crimes sexuais, levando à abertura de um inquérito por parte do Ministério Público e da Procuradoria-Geral da República, que se encontra arquivado desde 20 de maio por falta de provas.

"Nunca houve comportamentos excessivos, houve comportamentos deturpados. A Team Strada neste momento está parada, mas há pessoas que ainda trabalham comigo. A luta travada durante estes dois anos foi pesada para mim e para os jovens que faziam parte da equipa", começou por dizer, em entrevista a Manuel Luís Goucha.

YouTube apaga canal Team Strada, mas foi criado um novo logo de seguida
YouTube apaga canal Team Strada, mas foi criado um novo logo de seguida
Ver artigo

No mote das acusações estavam alguns vídeos de Strada, compilados por João Sousa, um outro youtuber, nomeadamente um em que filma uma jovem na casa de banho. Na compilação, podemos ver o youtuber a tocar na campainha de uma seguidora durante a madrugada, a apontar um desodorizante em spray para uma das jovens da sua equipa ou a beijar um dos membros na boca.

"Não deveria ter sido eu a fazer aquele conteúdo na casa de banho, deveria ter sido um deles. Tínhamos uma dinâmica muito boa na equipa e aquelas imagens editadas não refletem isso", justifica o youtuber, acrescentando que existiu "manipulação" de imagens que começaram a circular nas redes sociais, na época.

Para além disso, o youtuber de 38 anos foi também indicado de comportamentos impróprios junto dos elementos da sua equipa. Tudo porque numa emissão do "Curto Circuito", da SIC Radical, também em 2019, que espoletou todo o escândalo, Strada apresentava os dez elementos da sua equipa quando um 11.º membro, Dumbástico, de 16 anos, na altura, entra em estúdio e salta para o seu colo, dando-lhe um beijo na boca.

"Ele fez isso várias vezes em situações... Para já, é assim que ele chega a casa e cumprimenta a mãe. Não me senti confortável com isso, mas sempre permiti a todos os elementos serem eles próprios. Não tive noção daquele momento porque não tinha maldade nenhuma, mas percebo que tenha ofendido muita gente", explicou Strada a Manuel Luís Goucha.

O momento originou grande polémica nas redes sociais e Strada foi fortemente criticado, especialmente no Twitter. Levou ao fim da Team Strada e a cerca de dois anos de investigação. Agora, o caso acabou por ser arquivado. "Fico magoado. Acordar todos os dias continua a ser difícil. Tenho 30 agenciados e criei mais projetos, continuei a trabalhar. Escondi-me para conseguir trabalhar em paz", disse ainda ao apresentador.

Hugo Strada esclarece negócio no YouTube

No que diz respeito à forma como o negócio da Team Strada funcionava, o youtuber explica que nenhum elemento era obrigado a permanecer no grupo caso achasse que não lhe seria rentável. "Algumas pessoas pensavam que iam ganhar dinheiro, mas o meu objetivo era maior. O meu objetivo não era ficar com o dinheiro. O dinheiro estava sempre a sair e a entrar", disse Hugo Strada esta terça-feira, durante o programa "Goucha".

Strada referiu ainda que investiu algum capital na sua equipa apenas com o propósito de criar conteúdos para a internet, sem nunca querer receber algo em troca. Muitos dos elementos daquele grupo continuaram a trabalhar com o agente, que representa vários influenciadores e youtubers.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.