Marco Rodrigues foi o convidado do programa de entrevistas "Conta-me", da TVI, deste sábado, 27 de novembro. À conversa com Manuel Luís Goucha, o fadista recordou a infância feliz em Amarante, o início da carreira artística, e o momento em que perdeu a mãe.

Carolina Deslandes sobre vídeo nos Grammy Latinos. "Em Portugal, não foi nomeado para nada"
Carolina Deslandes sobre vídeo nos Grammy Latinos. "Em Portugal, não foi nomeado para nada"
Ver artigo

Questionado pelo apresentador sobre como é que se aprende a viver sem mãe, Marco assume que "não se aprende". "Tenho a certeza que há um antes e um depois. Aprender a viver sem mãe é muito difícil quando se tem uma ligação tão próxima e especial como eu tenho com a minha. Não se aprende a viver sem mãe, tem de se lidar com isso", assumiu.

O fadista de 39 anos viu a mãe partir recentemente e confessa que não estava preparado para isso. "Há um sentimento de injustiça porque partiu muito cedo. Não há altura certa para as pessoas partirem, mas tiraram-me a possibilidade de partilhar com a minha mãe coisas que até agora não consegui."

Além de lamentar o facto de os filhos, Bernardo, de 5 anos, e Francisco, de 1 ano, não terem a oportunidade de conviver com a avó, recorda com carinho a forma como a mãe foi responsável pela vida que tem hoje.

"Ela deu tudo. O meu percurso sem a minha mãe tinha sido completamente diferente. Ela abdicou da vida dela pela minha. Fez tudo para que eu conseguisse ter uma carreira e ser feliz", diz. Marco Rodrigues, que passou a infância em Amarante, aos 8 anos foi viver para Arcos de Valdevez e aos 15 anos, após a separação dos pais, mudou-se para Lisboa com a mãe.

"Gosto de ser fadista a cantar outras coisas"

Foi na capital que a mãe o começou a incentivar a lutar pela carreira enquanto artista, por acreditar que o filho tinha talento. Atualmente,  é um dos fadistas mais reconhecidos em Portugal, mas afirma que também gosta de cantar outros estilos musicais.

"Gosto de ser um fadista a cantar outras coisas. Não fiquei refém, nem ninguém tem de ficar. É muito confortável para as pessoas rotularem as coisas, mas acho muito mais incrível poder ter um público à minha frente de pessoas que vão porque conheceram 'O tempo' [música lançada em 2017] — e, se calhar, nem conhecem nenhum dos fados que eu canto — mas chegam, assistem a um espetáculo meu e saem de lá a dizer que adoraram." 

Questionado por Manuel Luís Goucha sobre o que o distingue dos restantes nomes do fado, Marco Rodrigues responde: "Não faço ideia, isso têm de ser as pessoas dizer. Eu trouxe só a minha verdade."

Como artista, não deixou também de referir a forma como a pandemia afetou o trabalho, mas confessa que, devido à perda da mãe, não viveu esses tempos da mesma forma que os colegas. "A pandemia começou logo passado dois meses de a minha mãe ter falecido. Foi muito leve [ a forma como lidei] porque nem sequer me consegui sentir frustrado a nível profissional. Foi um ano estranho, mas não estranho da forma como a maioria das pessoas o sentiram."

Neste ano, Marco deu também as boas-vindas ao segundo filho, Francisco. "O Francisco nasceu no meio do caos, mas ajudou-me a não estar no caos. Estar durante uma pandemia com a dor do desaparecimento da minha mãe, com o trabalho condicionado, e ter o Francisco numa altura destas pareceu quase uma compensação."

A Manuel Luís, o cantor confessa que ser pai sempre foi um sonho e que, neste momento, não há amor maior do que aquele que sente pelos filhos.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.