Os três finalistas d'"A Máscara" atuaram este domingo, 7 de março, mas só um saiu vencedor da segunda edição do programa: o Lobo, que era mesmo Pedro Granger, tal como suspeitavam todos os jurados. A revelação do vencedor da segunda temporada do programa foi feita numa noite de finais e estreias em horário nobre.

Antes das várias atuações da noite e de serem recordados os melhores momentos dos concorrentes, do apresentador, João Manzarra, e dos jurados, o programa começou com uma homenagem a uma concorrente especial: Sara Carreira. A artista, vítima de uma acidente fatal a 5 de dezembro, participou na primeira edição do programa com a máscara Pantera cujo percurso foi lembrado na final da segunda edição.

"A Máscara". Concorrentes antigos a "encher chouriços" e nenhuma máscara revelada
"A Máscara". Concorrentes antigos a "encher chouriços" e nenhuma máscara revelada
Ver artigo

“Na primeira temporada, 12 disfarces conquistaram os portugueses e há uma máscara que guarda para sempre a memória de quem já provoca tanta saudade… integrante, tímida, mas forte, elegante e cuidadosa. Só o talento foi sempre impossível de esconder. Sara Carreira, para sempre a nossa Pantera… Nunca te esqueceremos", dizia a voz que acompanhava as imagens da participação da filha de Tony Carreira.

O programa seguiu para o apuramento dos dois finalistas da noite. Dos três concorrentes que chegaram à final, um teve de revelar primeiro a identidade e numa altura em que poucas dúvidas restavam sobre cada corrente em jogo, a Coruja não foi surpresa. O cantor Nuno Guerreiro — palpite unânime entre todos os jurados — era então a voz por detrás das várias atuações até à final, incluindo o tema "New Light" de John Mayer que cantou este domingo, 7, embora não tenha sido suficiente para prosseguir até ao fim do programa.

“Jamais esquecerei. Libertei-me. Foi muito, muito giro”, disse o cantor e vocalista a Ala dos Namorados, que aproveitou o momento para anunciar um novo projeto que será algo “muito bonito”, disse.

Antes do duelo final, o percurso dos jurados — César Mourão, Carolina Loureiro, Sónia Tavares e Jorge Corrula — foi relembrando, deixando Carolina Loureiro nostálgica e com a voz a tremer. "Vou ter muitas saudades", disse.

A batalha final: Coelho Vs. Lobo

Atribuída a medalha de bronze, faltava saber quem levaria a prata e o ouro. Ambos os finalistas, Coelho e Lobo, atuaram em dose dupla, confirmando ainda mais os palpites dos jurados. Enquanto para os quatro a opinião de que o Coelho era o ator António Camelier era já um consenso, no caso do Lobo havia um palpite divergente: César Mourão, que inicialmente apontou para o radialista Fernando Alvim. Só depois de o Lobo cantar "I Am What I Am" (Gloria Gaynor) e "Eu Sei, Tu és" (Santamaria), é que, numa segunda avaliação, César Mourão lá se rendeu aos palpites dos colegas e concordou que seria Pedro Granger.

Quanto ao Coelho, com ou sem "Right Here Waiting" (Richard Marx) e "Anna Júlia" (Los Hermanos) não restavam dúvidas: era António Camelier. A confirmação veio quando o ator perdeu a batalha e deixou cair a máscara. "Eles estiveram sempre ali tão perto", disse António Camelier, que se estrou como ator na série "Morangos com Açúcar", da TVI.

Restava então uma máscara: o Lobo, que teve direito a sentar-se num trono antes de deixar cair a máscara e, literalmente, o suor que levou para cima dos palcos e permitiu que saísse vencedor da segunda edição. O primeiro jurado a apontar o nome de Pedro Granger foi Carolina Loureiro cujo palpite surgiu após ouvir o simples verso "I wanna really really really wanna zig-a-zig ah", da canção Wannabe (Spice Girls).

Depois de, com a habitual boa disposição, o Lobo fingir que ia tirar as calças em vez da máscara, já com a cabeça a descoberto Pedro Granger fez um balanço sobre a participação no programa.

“Eu nunca encarei isto como um concurso, acho que a postura certa não é estar aqui como um concurso. Isto é um jogo. E claro que ganha alguém no fim. A premissa sempre que vinha para aqui era ‘esta vai ser a tua última gala, portanto esbandalha-te, diverte-te, faz’", disse o ator. Pedro Granger admitiu que quando aceitou o desafio "achava mesmo que os bonecos falavam", mas ao perceber que não questionou-se sobre como seria participar sem saber cantar.

Os jurados confirmaram que cantar não é o ponto forte do ator, mas a participação distinta valeu-lhe a vitória na segunda temporada do programa.

Uma terceira temporada?

Apesar de a penúltima sessão do programa ter suscitado várias críticas pelo facto de não ter sido revelada nenhuma máscara e se ter estendido para lá da meia-noite, desta vez a final trouxe outros comentários para as redes sociais.

"Adorei! Queremos uma terceira temporada! Se fosse possível ainda em 2021", "adorei, parabéns SIC. Estou já com saudades para quando a terceira temporada?" e "terceira temporada, por favor", foram alguns dos apelos feitos na página de Instagram da SIC.

Uma cozinha gigante e castigos de CrossFit. O que esperar de "Hell's Kitchen" de Ljubomir
Uma cozinha gigante e castigos de CrossFit. O que esperar de "Hell's Kitchen" de Ljubomir
Ver artigo

Para já, segue-se a estreia de "Hell's Kitchen", a 14 de março. O novo programa com o chef Ljubomir Stanisic é um formato semelhante àquele que é protagonizado lá fora por Gordon Ramsay. O programa vai contar com 16 participantes desafiados a apresentar as melhores criações na cozinha.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.